Adoçantes de baixas calorias – impacto no apetite e relação com a qualidade da dieta

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

Conferência FENS 2015 – Berlim, 21 de outubro: O apetite humano pelo doce é inato e permanece altamente influenciado pela genética, etnia e experiências alimentares individuais. No entanto, com o aumento do fardo global na saúde e economia da obesidade e das doenças não transmissíveis relacionadas, o nosso desejo pelo gosto doce e o seu impacto nas escolhas alimentares e na manutenção do peso, ocuparam um lugar central, incluindo aqui em Berlim. Na12.ª Conferência Europeia de Nutrição, o foco no doce atraiu os especialistas do mundo para discutir de que forma o nosso gosto por alimentos doces pode ser gerido no contexto da nossa dieta e saúde. O simpósioDoce: a ciência por trás da preferência pelo gosto doce, efeito sobre o apetite, controle de peso e qualidade da dietareuniu especialistas líderes em psicologia, nutrição e ciências comportamentais, para apresentar os últimos conhecimentos sobre o doce de baixas calorias e para discutir se os adoçantes de baixas calorias podem ajudar a satisfazer o nosso desejo de sabor doce sem as calorias adicionadas.

Apresentando os palestrantes, o Prof. Dr. Fred Brouns, Presidente da “Inovação da Saúde Alimentar”, Universidade de Maastricht, reconheceu ter havido muita atenção da parte da comunicação social em relação à ciência aparentemente conflituante sobre o impacto de adoçantes de baixas calorias no nosso metabolismo. O simpósio visou demonstrar onde reside a evidência, para que os nutricionistas e outros profissionais de saúde possam ter confiança no papel dos adoçantes de baixas calorias .

Olhando especificamente para o nosso gosto pelo gosto doce, a Dra. France Bellisle concluiu que, após mais de 30 anos de pesquisa (estudos observacionais e ensaios controlados aleatoriamente, de curto e longo prazos, entre crianças e adultos), os “adoçantes de baixas calorias não aumenta o nosso gosto pelo doce, com as evidências a sugerir que antes levam a uma diminuição do apetite por produtos doces”.

O Prof. Peter Rogers apresentou os resultados da sua revisão, publicada online no International Journal of Obesity em setembro de 2015, que analisou todos os estudos relacionados com os efeitos do consumo de adoçantes de baixas calorias na ingestão de energia e no peso corporal. Conforme descrito pelo Prof. Rogers, “a evidência indica claramente que o consumo de adoçantes de baixas calorias em vez do açúcar, em crianças e adultos, leva à redução da ingestão de energia e do peso corporal e possivelmente mesmo quando comparado com a água”.

Com base nas conclusões da Drª Bellisle e do Prof. Rogers, Sigrid Gibson apresentou resultados de estudos internacionais relacionados com a qualidade da dieta em consumidores de adoçantes de baixas calorias. Estas conclusões, juntamente com o trabalho recente dos dados do National National Diet and Nutrition Survey (NDNS) do Reino Unido, sugerem resultados mais elevados no índice de alimentação saudável para os consumidores de bebidas açucaradas de baixas calorias, em comparação com as bebidas açucaradas, mostrando que “tendem a ter dietas de melhor qualidade que incluem mais frutas e vegetais, cereais integrais, produtos lácteos de baixo teor de gordura e menos alimentos contendo gordura e açúcar”.

A riqueza da ciência confirma que os adoçantes de baixas calorias são úteis e até benéficos na dieta atual. “Os adoçantes de baixas calorias não são balas mágicas, mas são uma ferramenta útil na manutenção de peso, sem prescindir do sabor agradável do doce”, destacou Sigrid Gibson. Ao fornecer doce sem as calorias, as opções adoçadas de baixas calorias podem contribuir de forma decisiva para permitir fazer escolhas inteligentes e ajudar a alcançar uma dieta e estilo de vida equilibrados.

Para obter mais detalhes sobre esta sessão, pode aceder ao site da ISA, por favoraceda aqui.

Leitura adicional

  • Artigo da Drª Bellisle sobre Adoçantes Intensos, Apetite pelo Gosto Doce e Relação com a Manutenção do Peso, publicado em Current Obesity Reports – acessível aqui.
  • Manuscrito não editado da revisão do Prof. Rogers sobre O consumo de adoçantes de baixas calorias afeta a ingestão de energia e o peso corporal? Uma revisão sistemática, incluindo meta-análises, da evidência de estudos em humanos e animais, publicada no International Journal of Obesity – acessível aqui.