O consumo de adoçantes sem ou de baixas calorias é seguro durante a gravidez

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

Declaração da ISA em resposta ao estudo desenvolvido por Cai et al.

Bruxelas, 18 de janeiro de 2021: Em resposta a uma nova publicação apresentada por Cai et al.1 sobre o consumo de adoçantes sem ou de baixas calorias durante a gravidez, a Associação Internacional de Adoçantes (ISA) gostaria de destacar as opiniões das autoridades competentes em matéria de segurança dos alimentos de todo o mundo que têm confirmado repetida e consistentemente a segurança dos adoçantes sem ou de baixas calorias, incluindo durante a gravidez.

Na verdade, para que um adoçante sem ou de baixas calorias seja aprovado para utilização no mercado, deve primeiro ser submetido a uma avaliação exaustiva da segurança pela autoridade competente em matéria de segurança alimentar. Tais organismos de regulamentação científica incluem o Comité Misto FAO-OMS de Peritos em Aditivos Alimentares (JECFA)2, a Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA)3 e a agência norte-americana FDA (Food and Drug Administration) 4.

Além do mais, numa declaração publicada em 2011, a EFSA concluiu que “não há provas disponíveis que sustentem um nexo de causalidade entre a ingestão de edulcorantes artificiais e os riscos de parto prematuro”, em resposta a alegações feitas num estudo desenvolvido por Halldorsson et al.5

Para além disso, esta nova publicação apresentada por Cai et al. baseia-se em dados de observação de baixa qualidade com limitações importantes. Isto explica, de facto, a própria avaliação dos autores das provas analisadas no seu estudo como “baixa” a “muito baixa”. Sendo principalmente uma meta-análise de estudos observacionais, não pode provar qualquer relação causa-efeito entre a ingestão pré‑natal de bebidas dietéticas e os desfechos do parto. Quanto a todos os estudos observacionais, qualquer uma das associações observadas pode ser influenciada por fatores de confusão residuais e pela elevada possibilidade de causalidade inversa.

Numa altura em que a obesidade e as doenças não transmissíveis, incluindo a diabetes e as doenças orais, continuam a ser grandes desafios de saúde à escala mundial, e à luz das atuais recomendações de saúde pública para reduzir o consumo global de açúcar, os adoçantes sem ou de baixas calorias podem ser instrumentos úteis na criação de ambientes alimentares mais saudáveis. Proporcionam uma ampla escolha de opções de sabor doce com poucas ou nenhumas calorias, podendo assim ser uma ferramenta útil, quando utilizados em vez do açúcar e como parte de um regime alimentar equilibrado e saudável, para ajudar a reduzir a ingestão global de açúcar e calorias, bem como na gestão dos níveis de glicose no sangue, incluindo para mulheres grávidas que possam estar em risco de diabetes gestacional.6 Os adoçantes sem ou de baixas calorias são também não fermentáveis por bactérias orais, o que significa que não contribuem para a desmineralização dentária, que é uma das razões para a cárie dentária.6 Isto pode ser útil durante a gravidez, o que muitas vezes sobrecarrega a saúde geral da boca7,8 e garantir dentes e gengivas saudáveis é ainda mais importante.

  1. Cai C, Sivak A, Davenport MH. Effects of Prenatal Artificial Sweeteners Consumption on Birth Outcomes: A Systematic Review and Meta-Analysis. Public Health Nutrition 2021 Jan 14;1-26. doi:10.1017/S1368980021000173
  2. http://www.fao.org/food/food-safety-quality/scientific-advice/jecfa/en/
  3. http://www.efsa.europa.eu/en/topics/topic/sweeteners
  4. https://www.fda.gov/food/food-additives-petitions/high-intensity-sweeteners
  5. Statement of EFSA on the scientific evaluation of two studies related to the safety of artificial sweeteners. EFSA 2011, EFSA Journal 2011;9(2):2089: https://efsa.onlinelibrary.wiley.com/doi/epdf/10.2903/j.efsa.2011.2089
  6. EFSA Scientific opinion on the substantiation of health claims related to intense sweeteners. EFSA 2011 Journal 9(6): 2229, and 9(4): 2076 and Commission Regulation 432/2012/EU (OJ L 136 25.5.2012, p. 1): http://eur-lex.europa.eu/LexUriServ/LexUriServ.do?uri=OJ:L:2012:136:0001:0040:en:PDF
  7. CDC Pregnancy and Oral Health: https://www.cdc.gov/oralhealth/publications/features/pregnancy-and-oral-health.html
  8. NHS Teeth and Gums in Pregnancy: https://www.nhs.uk/conditions/pregnancy-and-baby/teeth-and-gums-pregnant/