Adoçantes de baixas calorias são seguros para as crianças

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

Declaração da ISA em resposta ao novo relatório técnico-científico desenvolvido por Lott e outros.

Bruxelas, 19 de setembro de 2019: Em resposta ao novo relatório técnico-científico desenvolvido por Lott e outros sobre recomendações para o consumo saudável de bebidas na primeira infância 1, a Associação Internacional de Adoçantes (ISA) gostaria de assinalar a segurança de todos os adoçantes de baixas calorias aprovados para adultos e crianças, tal como confirmado consistentemente pelas autoridades reguladoras internacionais.2,3,4

Adoçantes sem ou de baixas calorias estão entre os ingredientes mais investigados em todo o mundo. Todos os adoçantes sem ou de baixas calorias aprovados foram submetidos a uma rigorosa avaliação de segurança por agências de segurança alimentar em todo o mundo, incluindo o Comité Misto FAO/OMS de Peritos em Aditivos Alimentares (JECFA), a agência norte-americana Food and Drug Administration (FDA) e a Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA), que confirmaram consistentemente a sua segurança, de acordo com a riqueza de evidências científicas. Os especialistas em avaliação de risco destas agências de segurança alimentar estabelecem uma dose diária admissível (DDA) para adoçantes sem ou de baixas calorias aprovados, que representa a quantidade diária que pode ser consumida com segurança ao longo da vida sem nenhum risco para a saúde.

Pesquisas a nível mundial confirmam que a ingestão de adoçantes de baixas calorias está bem abaixo da dose diária admissível (DDA) para os adoçantes em termos individuais na população em geral, tanto em crianças quanto em adultos. As agências de segurança alimentar monitorizam regularmente qualquer ingestão de aditivos alimentares, incluindo os adoçantes de baixas calorias aprovados, garantindo que o consumo real de qualquer adoçante de baixas calorias permaneça dentro da DDA definida. Por exemplo, atualmente a EFSA está a realizar uma reavaliação de todos os adoçantes sem ou de baixas calorias aprovados antes de 2009 para garantir uma avaliação contínua da segurança desses ingredientes com base nas pesquisas e nos dados disponíveis mais recentes.

No momento em que a obesidade e as doenças não transmissíveis continuam a ser os principais desafios globais da saúde, e as autoridades de saúde pública estão a incentivar os fabricantes de produtos alimentares a substituir o açúcar e a reduzir as calorias como parte dos seus objetivos de reformulação, é essencial que o público receba informações científicas confiáveis sobre a segurança e a utilidade dos adoçantes de baixas calorias, apoiadas pelas autoridades de segurança alimentar e organizações de saúde em todo o mundo.5,6

No entanto, é importante destacar que, na União Europeia, os adoçantes de baixas calorias, como qualquer aditivo alimentar, geralmente não são aprovados para uso em alimentos destinados a lactentes e crianças menores de três anos de idade. A ingestão de calorias suficiente é realmente crítica para a criança em desenvolvimento, portanto, escolher uma grande variedade de alimentos nutritivos nas quantidades certas permitirá que a criança cresça com um peso saudável.

Utilizados em alimentos, bebidas e adoçantes de mesa, os adoçantes de baixas calorias podem fornecer às pessoas, incluindo crianças, uma ampla variedade de opções de sabor doce com baixas ou nenhumas calorias e, portanto, podem ser uma ferramenta útil, quando usados no lugar do açúcar e como parte de um regime alimentar equilibrado, ajudando a reduzir a ingestão geral de açúcar e calorias, bem como na gestão dos níveis de glicose no sangue. Os adoçantes de baixas calorias também não são cariogénicos, o que significa que não contribuem para a cárie dentária.

  1. Lott M, Callahan E, Welker Duffy E, Story M, Daniels S. Healthy Beverage Consumption in Early Childhood: Recommendations from Key National Health and Nutrition Organizations. Technical Scientific Report. Durham, NC: Healthy Eating Research, 2019. Available at http://healthyeatingresearch.org
  2. http://www.fao.org/food/food-safety-quality/scientific-advice/jecfa/en/
  3. https://www.fda.gov/food/food-additives-petitions/high-intensity-sweeteners
  4. http://www.efsa.europa.eu/en/topics/topic/sweeteners
  5. Martyn D, Darch M, Roberts A, Lee HY, Tian TY, Kaburagi N, Belmar P. Low-/No-Calorie Sweeteners: A Review of Global Intakes. Nutrients 2018; 10(3): 357
  6. Renwick AG. The intake of intense sweeteners – an update review. Food Addit Contam 2006 Apr; 23: 327-38