A evidência não prova qualquer relação direta entre o consumo de bebidas dietéticas durante a gravidez e peso infantil mais elevado

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

Declaração da ISA em resposta ao estudo publicado no JAMA Pediatrics sobre o consumo de bebidas dietéticas na gravidez e o IMC infantil

A Associação Internacional de Adoçantes (ISA) analisou os resultados do estudo observacional de Azad et al. intitulado “Associação entre o consumo de bebidas adoçadas artificialmente durante a gravidez e o índice de massa corporal infantil (IMC)” publicado em 9 de maio no JAMA Pediatrics1, e confirma quenão há evidência de qualquer relação diretaentre o consumo de bebidas de baixas calorias por mulheres durante a gravidez e o aumento do risco de excesso de peso na infância.De fato, os autores reconhecem as limitações do estudo, como a natureza observacional do estudo, que não pode provar uma relação causal. Tal como acontece com todos os estudos observacionais, a possibilidade de que os resultados poderem ser influenciados por fatores de confusão residuais e não medidos, não pode ser excluída. As limitações adicionais do estudo incluem o potencial de erro nos resultados alimentares auto-relatados, já que o questionário de frequência alimentar (QFA) usado neste estudo não foi validado para o consumo de bebidas.O consumo de adoçantes de baixas calorias é seguro durante a gravidez, com base em avaliações de segurança recentes da Autoridade Europeia para a Segurança Alimentar (EFSA)2, 3, e não há evidências de que o uso diário de alimentos ou bebidas que os contenham, possa ter algum efeito sobre a saúde ou no IMC da criança. A variedade de alimentos e bebidas com adoçantes de baixas calorias pode ajudar a satisfazer o gosto de uma grávida pelo doce, com poucas ou nenhumas calorias. Além disso, um número considerável de estudos concluiram que o excesso ou o aumento de peso durante a gravidez, aumentam o risco de obesidade infantil mais tarde na vida4, 5, pelo que, os adoçantes de baixas calorias devem ser vistos como uma alternativa dietética positiva para as mulheres grávidas que desejam moderar a sua ingestão de energia e aumento de peso durante a gravidez, ou que tenham sido diagnosticadas com diabetes gestacional6.Pode encontrar informações interessantes sobre o uso de adoçantes de baixas calorias durante a gravidez no documento informativa da ISA. “Conversa doce sobre gravidez e infância: Como podem os adoçantes de baixas calorias ajudar?’acedendo aqui.As mulheres que grávidas devem consultar o seu médico ou profissional de saúde para obter mais informações sobre a gravidez.

  1. Azad MB, Sharma AK, de Souza RJ, et al. Association Between Artificially Sweetened Beverage Consumption During Pregnancy and Infant Body Mass Index. JAMA Pediatr. 2016;170(7):662–670. doi:10.1001/jamapediatrics.2016.0301
  2. Statement of EFSA on the scientific evaluation of two studies related to the safety of artificial sweeteners. EFSA Journal 2011;9(2):2089 [16 pp.].
  3. Scientific Opinion on the re-evaluation of aspartame (E951) as a food additive. EFSA Journal 2013;11(12):3496 [263 pp.].
  4. Fuemmeller FB et al. Childhood Obesity. May 2016, ahead of print. doi:10.1089/chi.2015.0253.
  5. Lifschitz C. Pediatric Gastroenterol Hepatol Nutr. 2015 Dec; 18(4): 217-23. doi: 10.5223/pghn.2015.18.4.217. Epub 2015 Dec 23.
  6. Fitch C et al. J Acad Nutr Diet. 2012 May;112(5):739-58. doi: 10.1016/j.jand.2012.03.009. Epub 2012 Apr 25.