A EFSA volta a confirmar a confiança na taumatina

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

A ISA congratula-se com o novo parecer científico da EFSA sobre a taumatina

Bruxelas, 30 de novembro de 2021: A Associação Internacional de Adoçantes (ISA) congratula‑se com o parecer da Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA), publicado hoje, que volta a confirmar que o adoçante de baixas calorias taumatina é seguro para utilização em alimentos e bebidas e que não existem preocupações de segurança aos níveis de exposição atuais.1

Em conformidade com os regulamentos europeus, a Comissão Europeia solicitou à EFSA que efetuasse uma reavaliação de todos os aditivos alimentares permitidos para utilização na União Europeia antes de janeiro de 2009, incluindo os edulcorantes. A reavaliação da taumatina faz parte deste processo. Na sua revisão, os peritos científicos da EFSA avaliaram a totalidade das provas científicas disponíveis, incluindo dados toxicológicos, de ingestão e epidemiológicos, e concluíram que a taumatina é segura quando utilizada como aditivo alimentar.

Isto confirma uma vez mais os resultados de avaliações anteriores conduzidas pelo Comité Misto FAO-OMS de Peritos em Aditivos Alimentares (JECFA)2 , e de outras autoridades reguladoras em todo o mundo, incluindo nos Estados-Membros da União Europeia.

Numa altura em que a obesidade e as doenças não transmissíveis, incluindo a diabetes e as doenças dentárias, continuam a ser grandes desafios no domínio da saúde mundial, e à luz das atuais recomendações de saúde pública para reduzir o consumo global de açúcar, a taumatina, bem como todos os adoçantes sem ou de baixas calorias podem ser úteis na criação de ambientes alimentares mais saudáveis. Eles podem proporcionar às pessoas uma ampla escolha de opções de sabor doce com poucas ou nenhumas calorias, podendo assim ser uma ferramenta útil, quando utilizados em vez do açúcar e como parte de um regime alimentar equilibrado, para ajudar a reduzir a ingestão global de açúcar e calorias4, bem como na gestão do nível de glicose no sangue.4 Os adoçantes sem ou de baixas calorias também não são fermentáveis por bactérias orais, o que significa que não contribuem para a desmineralização dos dentes, que é uma das razões da cárie dentária.5

  1. https://efsa.onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.2903/j.efsa.2021.6884 
  2. http://www.fao.org/food/food-safety-quality/scientific-advice/jecfa/en/
  3. Rogers PJ and Appleton KM. The effects of low-calorie sweeteners on energy intake and body weight: a systematic review and meta-analyses of sustained intervention studies. Int J Obes (Lond) 2021;45(3):464-478. doi:10.1038/s41366-020-00704-2. Epub 2020 Nov 9.
  4. Diabetes UK. The use of low or no calorie sweeteners. Position Statement (Updated December 2018). Available at: https://www.diabetes.org.uk/professionals/position-statements-reports/food-nutrition-lifestyle/use-of-low-or-no-calorie-sweetners
  5. EFSA Scientific opinion on the substantiation of health claims related to intense sweeteners. EFSA 2011 Journal 9(6): 2229, and 9(4): 2076.