Porquê utilizar adoçantes sem ou de baixas calorias na diabetes? Existe algum benefício?

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

Revisão das evidência atuais à luz de uma nova revisão sistemática desenvolvida por Lohner et al.

Vicky Pyrogianni MSc, Dietitian – Nutritionist; Nutrition Science Director, ISA

Destaques:

  • Os adoçantes sem ou de baixas calorias não afetam o controlo da glicose e podem ser consumidos com segurança por pessoas com diabetes.
  • O consumo de alimentos que contêm adoçantes sem ou de baixas calorias em vez de açúcar causa um aumento inferior da glicose no sangue após a ingestão, em comparação com os alimentos que contêm açúcar.
  • Os adoçantes sem ou de baixas calorias permitem às pessoas com diabetes saborear alimentos e bebidas doces com menos ou mesmo sem açúcar.

Para pessoas com diabetes, a razão para escolher um alimento ou bebida com adoçantes sem ou de baixas calorias em vez de açúcar é simples: apreciar o sabor doce na alimentação enquanto diminui a ingestão diária de açúcar e calorias sem impacto no controlo da glicose. A Associação Americana de Diabetes explica que as alterações alimentares com o objetivo de reduzir a ingestão de hidratos de carbono, incluindo açúcares e calorias, podem afetar beneficamente o controlo glicémico, de peso e cardiometabólico.1

Ao mesmo tempo, as pessoas com diabetes querem ter a certeza de que a utilização de adoçantes sem ou de baixas calorias não tem efeitos adversos no controlo glicémico ou na saúde em geral. A segurança dos adoçantes sem ou de baixas calorias aprovados, incluindo para pessoas com diabetes, tem sido repetidamente confirmada por organismos de segurança alimentar em todo o mundo. As opiniões destas agências, baseadas nas provas coletivas de estudos publicados, também permitem confirmar que os adoçantes sem ou de baixas calorias não afetam o controlo da glicose.

No entanto, de acordo com alguns especialistas, a questão sobre os benefícios dos adoçantes sem ou de baixas calorias na diabetes ainda permanece em aberto. Numa revisão sistemática publicada recentemente e apoiada pela Organização Mundial de Saúde (OMS), Lohner et al analisaram o impacto dos adoçantes na glicemia de longa duração.2

Análise dos resultados de Lohner et al: Os adoçantes sem ou de baixas calorias são benéficos ou prejudiciais para as pessoas com diabetes?

Os resultados da revisão sistemática desenvolvida por Lohner e colegas, publicada em Maio de 2020, não revelaram quaisquer indícios de acontecimentos adversos nem qualquer impacto diferente da utilização dos adoçantes sem ou de baixas calorias sobre a hemoglobina glicada (HbA1c) – um indicador de controlo glicémico a longo prazo -, quando comparado com controlo, placebo ou açúcar. A falta de efeito é o que deveria ser esperado para os adoçantes sem ou de baixas calorias que, enquanto aditivos alimentares, não deveriam ter qualquer tipo de efeito farmacológico. Os autores, no entanto, afirmam que existem provas não concludentes de claros benefícios ou danos decorrentes da utilização dos adoçantes. Assim, as questões que se colocam são as seguintes: Os resultados desta revisão significam que os adoçantes não têm qualquer benefício? Poderá haver algum dano devido à sua utilização?

Existe alguma prova de benefícios? Sim, há um benefício quando são consumidos adoçantes sem ou de baixas calorias em vez de açúcares, o que é confirmado por revisões sistemáticas recentes e também pela Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA).3,4 Uma revisão sistemática recente de 29 estudos que analisaram o impacto crónico de adoçantes sem ou de baixas calorias na glicemia concluiu que o seu consumo não aumenta os níveis de glicose no sangue pós-prandial (ou seja, após a ingestão), e que este efeito não difere por tipo de adoçante.3 Considerando que o açúcar, como todos os hidratos de carbono, causa um aumento dos níveis de glicose no sangue após o consumo, a ausência de impacto glicémico dos adoçantes sem ou de baixas calorias torna-os uma ajuda dietética útil para as pessoas com diabetes, tal como explicado pelos investigadores. As evidências que indicam o benefício dos adoçantes sem ou de baixas calorias nos níveis de glicose pós-prandial não foram examinadas na revisão realizada por Lohner at al, enquanto que esta foi avaliada pela EFSA em 2011, a qual concluiu que : “O consumo de alimentos contendo adoçantes sem ou de baixas calorias em vez de açúcar induz um aumento inferior da glicose no sangue após o seu consumo em comparação com os alimentos que contêm açúcar.4 É importante explicar que o benefício potencial da utilização de adoçantes sem ou de baixas calorias na diabetes é facilitar o controlo glicémico no contexto das circunstâncias da vida quotidiana, ou seja permitir às pessoas com diabetes desfrutar de alimentos e bebidas com sabor doce sem induzir oscilações glicémicas.

Há alguma evidência de danos metabólicos resultante da revisão realizada por Lohner et al? Não, a revisão não encontrou provas de danos metabólicos, por exemplo, não há nenhum impacto no controlo glicémico, nem qualquer outro evento adverso decorrente da utilização de adoçantes. Os peritos explicam que as declarações que sugerem que os potenciais danos não poderiam ser excluídos dizem respeito à falta de evidências, e não a provas de danos.5 É importante notar que a segurança dos adoçantes sem ou de baixas calorias aprovados, incluindo a ausência de impacto metabólico adverso para as pessoas com diabetes, tem sido repetidamente confirmada por organismos de segurança alimentar em todo o mundo, incluindo o Comité Misto FAO/OMS de Peritos em matéria de Aditivos Alimentares (JECFA), a agência norte americana Food and Drug Administration (FDA) e a Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA), após uma avaliação exaustiva de todas as evidências disponíveis.

Limitações do estudo: O estudo tem também algumas limitações. De uma perspectiva metodológica, as meta-análises agrupam dados de ensaios com diferentes adoçantes a fim de avaliar os seus efeitos, mesmo que os adoçantes individuais tenham diferentes destinos metabólicos, enquanto que a análise subgrupo por tipo de adoçante e por tipo de diabetes é inexistente.

Mensagem final

Os adoçantes sem ou de baixas calorias oferecem às pessoas com diabetes uma alternativa importante ao açúcar, uma vez que não afectam o controlo glicémico global.6 De facto, quando utilizados em vez de açúcares, os adoçantes sem ou de baixas calorias causam um menor aumento da glicose pós-prandial (ou seja, os níveis de açúcar no sangue após a ingestão).4 Manter os níveis de glicose pós-prandial dentro de um limite saudável é fundamental para o controlo global da glicemia, que é um objetivo importante nos cuidados da diabetes. Por conseguinte, os adoçantes sem ou de baixas calorias são valorizados e podem ser uma ajuda significativa para as pessoas com diabetes que precisam de gerir a sua ingestão de hidratos de carbono, um aspecto importante da gestão e controlo da diabetes, enquanto ainda desfrutam de alimentos e bebidas com sabor doce com menos ou sem calorias.

  1. Evert AB, Dennison M, Gardner CD, Garvey WT, Lau KHK, MacLeod J, Mitri J, Pereira RF, Rawlings K, Robinson S, Saslow L, Uelmen A, Urbanski PB, Yancy Jr. WS. Nutrition Therapy for Adults with Diabetes or Prediabetes: A Consensus Report. Diabetes Care. 2019 May;42(5):731-754
  2. Lohner S, Kuellenberg de Gaudry D, Toews I, Ferenci T, Meerpohl JJ. Non-nutritive Sweeteners for Diabetes Mellitus. Cochrane Database of Systematic Reviews 2020 May 25;5:CD012885. Doi 10.1002/14651858.CD012885.pub2
  3. Nichol AD, Holle MJ, An R. Glycemic impact of non-nutritive sweeteners: a systematic review and meta-analysis of randomized controlled trials. Eur J Clin Nutr 2018; 72: 796-804
  4. EFSA. Scientific opinion on the substantiation of health claims related to intense sweeteners. EFSA Journal 2011, 9(6), 2229. Available online: http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.2903/j.efsa.2011.2229/epdf
  5. Ashwell MA, Gibson S, Bellisle F, Buttriss J, Drewnowski A, Fantino M, Gallagher AM, de Graaf K, Goscinny S, Hardman CA, Laviada-Molina H, López-García R, Magnuson B, Mellor D, Rogers P, Rowland I, Russell W, Sievenpiper J, la Vecchia C. Expert consensus on low calorie sweeteners: facts, research gaps and suggested actions. Nutr Res Rev. 2020 Jan 13:1-10. doi: 10.1017/S0954422419000283. [Epub ahead of print]
  6. Diabetes UK. The use of low or no calorie sweeteners. Position Statement (Updated December 2018). Available at: https://www.diabetes.org.uk/professionals/position-statements-reports/food-nutrition-lifestyle/use-o…