O que sabemos sobre a fisiologia do sabor doce, os adoçantes sem ou de baixas calorias e a redução de açúcar?

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

Notícias científicas dos webinars da Sociedade Francesa de Nutrição

Destaques:

  • A segurança dos adoçantes sem ou de baixas calorias é cuidadosamente avaliada pela Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA), que confirma que o seu consumo é seguro e dentro dos níveis da Dose Diária Admissível (DDA) para cada edulcorante individual.
  • A substituição do açúcar por adoçantes sem ou de baixas calorias pode ser útil na redução calórica, especialmente em consumidores muito frequentes de açúcar, na modesta perda de peso em pessoas com obesidade e num melhor controlo da glicose em pessoas com diabetes ou pré-diabetes.
  • O sabor doce tem uma história muito longa: está bem estabelecido que a preferência pelo sabor doce é inata, no entanto, a fisiologia do sabor doce, a percepção da doçura e a preferência são fenómenos complexos que precisam de ser mais investigados em investigação futura.

 

Numa série de webinars organizados pela Sociedade Francesa de Nutrição (Société Française de Nutrition – SFN) em Fevereiro de 2021, e apoiados pela Associação Internacional de Adoçantes (ISA), nove peritos científicos falaram de vários aspetos em torno dos adoçantes sem ou de baixas calorias e da redução do açúcar. Nos três webinars, os oradores apresentaram as últimas evidências sobre os níveis de segurança e ingestão de adoçantes sem ou de baixas calorias, a sua utilização na prática clínica e o seu potencial benefício no controlo de peso e da glicose, e discutiram ainda a fisiologia do sabor doce e a complexidade que caracteriza a percepção e a preferência pela doçura e a sua relação com os edulcorantes. Um resumo das apresentações feitas nos webinars da SFN foi publicado em francês na revista científica Cahiers de Nutrition et de Diététique.

Avaliação da segurança e do consumo de adoçantes sem ou de baixas calorias

Na União Europeia, a utilização de adoçantes sem ou de baixas calorias enquanto aditivos alimentares está sujeita a autorização após a sua avaliação global de segurança pela Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA). Durante o processo de avaliação, é estabelecida uma Dose Diária Admissível (DDA) para cada edulcorante individual, que representa a quantidade do edulcorante que pode ser consumida diariamente em segurança ao longo da vida de uma pessoa sem quaisquer problemas de saúde. O consumo de adoçantes sem ou de baixas calorias é avaliado periodicamente para garantir que o consumo não excede a DDA de cada edulcorante individual. Dados recentes de vários países europeus, que foram apresentados no webinar, confirmam que o consumo de todos os adoçantes sem ou de baixas calorias aprovados é muito inferior à DDA para cada edulcorante.

Quais são os indivíduos com maior probabilidade de beneficiar da utilização de adoçantes sem ou de baixas calorias?

As provas e controvérsias atuais sobre os benefícios dos adoçantes sem ou de baixas calorias no controlo do peso e na diabetes foram também discutidas no webinar. Os especialistas explicaram que alguns indivíduos podem ver um benefício modesto, mas significativo na gestão do peso quando estão a utilizar adoçantes sem ou de baixas calorias em vez de açúcares, mas isto depende em grande medida dos seus hábitos alimentares globais e principalmente do nível de substituição do açúcar. Na prática clínica é recomendada uma abordagem caso a caso. Assim, por exemplo, um consumidor muito frequente de bebidas açucaradas pode ter reduções calóricas importantes se todas as bebidas açucaradas forem substituídas por alternativas sem ou de baixas calorias no regime alimentar. Além disso, a substituição de açúcares por adoçantes sem ou de baixas calorias pode ajudar as pessoas com obesidade no seu esforço para perder peso, seguindo uma dieta mais palatável de baixo teor calórico. Em qualquer caso, os adoçantes sem ou de baixas calorias devem ser integrados num regime alimentar equilibrado e num estilo de vida saudável.

Ao discutir o impacto dos adoçantes sem ou de baixas calorias no controlo da glicemia, as provas apresentadas pelos oradores apoiam a afirmação de que os adoçantes sem ou de baixas calorias não aumentam os níveis de glicose no sangue. Assim, os peritos concluíram que a substituição de alimentos açucarados (e principalmente bebidas) por adoçantes sem ou de baixas calorias em pessoas com excesso de peso/obesidade e/ou pré-diabetes com resistência à insulina observada pode contribuir para um melhor controlo dos níveis de açúcar no sangue, especialmente quando são consumidos produtos sem ou de baixas calorias entre as refeições.

A complexa fisiologia do sabor doce

O que há muito se sabe é que a preferência pelo sabor doce é inata. No entanto, há ainda vários aspectos em torno da percepção e preferência pela doçura que precisam de ser esclarecidos em investigações futuras. Os oradores descreveram o papel dos receptores sensoriais do paladar e os complexos mecanismos envolvidos na percepção da doçura. Embora estas estejam agora bem descritas em termos de características moleculares e funcionais, ainda precisamos de compreender como a preferência e a percepção da doçura variam consoante o indivíduo e como são moldadas por diferentes factores exógenos ou endógenos.

Gerir o nosso desejo de sabor doce é também complexo. Embora a hipótese de dependência do açúcar seja rejeitada, parece haver um consenso sobre a utilidade de reduzir o seu consumo, particularmente o dos açúcares livres. No que diz respeito aos adoçantes sem ou de baixas calorias, as provas apresentadas no webinar mostram que, por si só, os adoçantes sem ou de baixas calorias não afectam a fome, a saciedade ou o apetite pelo sabor doce e, portanto, podem ser úteis para ajudar as pessoas a reduzir o consumo excessivo de açúcares.

Para mais informação:

Pode assistir aos três webinars sobre “Low/no calorie sweeteners and sugar reduction” no website da SFN (em língua francesa), aqui: https://sf-nutrition.fr/2020/12/15/workshop-isa-sfn-edulcorants-et-reduction-de-sucre-02-16-23-fevrier-2021/

Pode também rever o artigo científico publicado em francês na revista científica Cahiers de Nutrition et de Diététique, que apresenta o resumo do workshop organizado pela SFN em parceria com a Associação Internacional de Adoçantes (ISA).

Morio B. and Guy-Grand B. Édulcorants et réduction du sucre. Synthèse du workshop de laSFN en partenariat avec l’International Sweeteners Association (ISA) donné en trois webséries du 02/02 au 23/02/2021. Cahiers de Nutrition et de Diététique 2021. https://doi.org/10.1016/j.cnd.2021.04.001