Novo estudo acrescenta clareza ao papel que os adoçantes sem ou de baixas calorias podem desempenhar na perda de peso

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Autor(es): Vicky Pyrogianni MSc, Dietitian – Nutritionist; Nutrition Science Director, ISA

DESTAQUES

  • Um novo grande estudo confirma um papel útil para os adoçantes sem ou de baixas calorias na gestão do peso, quando utilizados no lugar do açúcar, e acrescenta mais clareza como e quando a sua utilização traz valor.
  • Estudos que comparam os adoçantes sem ou de baixas calorias com água ou placebo não encontram diferença no impacto sobre o peso corporal. Isto prova que estes substitutos do açúcar não provocam mudanças de peso por si mesmos e que os seus benefícios estão relacionados com o açúcar, logo, redução de calorias na alimentação, de acordo com a sua utilização pretendida.
  • Quanto maior for a remoção de açúcar na alimentação, maior será o efeito benéfico da utilização dos adoçantes sem ou de baixas calorias.

 

O novo estudo realizado por Rogers e Appleton1 é a segunda revisão sistemática e meta‑análise sobre edulcorantes e gestão de peso publicada este ano. Juntamente com o estudo desenvolvido por Laviada-Molina e colegas2, publicado em Março de 2020, são as duas revisões sistemáticas mais completas sobre este tema até à data. A principal conclusão de ambas as revisões é que o consumo de adoçantes sem ou de baixas calorias versus açúcar pode ajudar a diminuir o peso corporal reduzindo o consumo diário de energia, enquanto que não há impacto nos resultados de peso quando não há redução calórica, por exemplo, quando os edulcorantes são comparados com água ou placebo. Importa igualmente referir que esta nova revisão acrescenta mais clareza sobre como e quando os adoçantes sem ou de baixas calorias podem ajudar na perda de peso, ao fornecer respostas a três questões-chave relacionadas com os edulcorantes e a gestão do peso.

O QUE MOSTRA ESTE NOVO ESTUDO?

O novo estudo analisou três questões de investigação:

  • Como é que os adoçantes sem ou de baixas calorias afetam o consumo de energia e o peso corporal quando comparados com o açúcar? (isto é, quando a doçura permanece a mesma, mas existe uma diferença no teor energético entre os grupos de intervenção e de controlo).
  • Como é que os adoçantes sem ou de baixas calorias afetam o consumo de energia e o peso corporal quando comparados com a água ou nada? (ou seja, nos casos em que não se verifica diferença significativa no teor energético entre grupos embora exista uma diferença no sabor); e
  • Como é que os adoçantes sem ou de baixas calorias (em cápsulas) afectam a ingestão de energia e o peso corporal quando comparados com as cápsulas de placebo? (ou seja, nos casos em que não se verifica diferença significativa no teor energético entre grupos, e não há qualquer diferença no sabor).

 

Os resultados da meta-análise concluíram que:

  • O peso corporal, o índice de massa corporal (IMC) e o consumo de energia (calorias) foram reduzidos pelo consumo de adoçantes sem ou de baixas calorias em comparação com o açúcar. A análise adicional mostrou que quanto mais açúcar é eliminado da alimentação, maior é o impacto. O estudo revelou que por cada 1 MJ (aproximadamente 240 kcal) de energia substituída por edulcorantes de baixo teor calórico, o peso corporal diminui em ~1,06 kg em adultos. Este efeito da dose de açúcar mostra que o principal meio pelo qual os edulcorantes reduzem o peso corporal é através da redução do consumo de energia.
  • Não houve diferença entre os adoçantes sem ou de baixas calorias e a água/nada no seu impacto no peso corporal e no IMC, enquanto a análise mostrou resultados variáveis para a ingestão de energia. Estes resultados refutam as alegações que sugerem que a exposição ao sabor doce sem calorias pode aumentar o peso corporal.
  • Do mesmo modo, não foi encontrada qualquer diferença no consumo de energia ou peso corporal quando os edulcorantes em cápsulas foram comparados com as cápsulas de placebo. Estes resultados acrescentam provas à noção de que os adoçantes sem ou de baixas calorias não têm qualquer impacto no apetite ou no balanço energético ao, por exemplo, afetar as hormonas intestinais.

PORQUE É QUE ALGUMAS ANÁLISES CHEGAM A CONCLUSÕES DIFERENTES QUANDO OLHAM PARA AS MESMAS EVIDÊNCIAS?

Olhar para a totalidade das provas disponíveis é sempre importante. Ao comparar-se os resultados deste estudo com as conclusões das cinco revisões sistemáticas e meta-análises anteriormente publicadas, três estudos precedentes encontraram provas claras de que o consumo de adoçantes sem ou de baixas calorias em vez de açúcar pode ajudar a reduzir o peso corporal.2-4 Isto está de acordo com as conclusões da meta-análise desenvolvida por Rogers e Appleton.1 Por outro lado, duas outras análises5,6 foram ambíguas sobre o efeito do consumo de edulcorantes no peso corporal. Um exame mais minucioso revela, contudo, diferenças importantes no número de estudos incluídos em cada uma destas revisões (por exemplo, a revisão realizada por Toews et al6 inclui apenas 5 estudos vs. os 60 que foram analisados por Rogers e Appleton1), e/ou como os estudos são agrupados incorretamente nas meta‑análises (por exemplo, tanto Azad et al5 como Toews et al6 analisaram em conjunto estudos com diferentes comparadores – açúcar ou água ou placebo).

PORQUE É QUE ESTA REVISÃO SISTEMÁTICA É A MAIS COMPLETA ATÉ À DATA

As revisões sistemáticas e as meta-análises de estudos controlados em humanos fornecem a mais alta qualidade de provas na investigação em matéria de alimentação e nutrição. Por conseguinte, a publicação deste novo estudo é uma notícia importante.

A publicação de Rogers e Appleton fornece a revisão sistemática mais recente e inclui todos os estudos publicados até junho de 2020. Além do mais, representa o maior trabalho realizado até à data, incluindo meta-análises de 60 artigos que descrevem 88 ensaios controlados e aleatorizados com uma duração superior a 1 semana.

Além disso, a importância deste novo estudo é que analisa os dados atuais tendo em consideração mecanismos biológicos e comportamentais plausíveis, e está a enquadrar as questões de investigação apropriadas, ou seja, como é que os adoçantes sem ou de baixas calorias podem afetar o peso corporal quando comparados com diferentes comparadores calóricos (açúcar) ou não calóricos (água, nada, placebo).

OBSERVAÇÃO DE UM DIETISTA

Os adoçantes sem ou de baixas calorias são ingredientes alimentares com sabor doce e sem, ou praticamente sem calorias. Como ingredientes alimentares, não se deve esperar que proporcionem benefícios para a saúde por si só ou que atuem ou sejam considerados como uma “varinha de condão” na perda de peso. O seu uso pretendido é o de substituir o açúcar em alimentos e bebidas, mantendo o sabor doce com menos ou zero calorias. Por conseguinte, faz sentido que os seus benefícios na gestão do peso estejam relacionados com a redução do consumo de açúcares e de calorias no contexto de uma alimentação e de um estilo de vida equilibrados. De facto, é exatamente isto que a última análise desenvolvida por Rogers e Appleton apresenta. Os edulcorantes são um entre vários recursos que podem ajudar as pessoas a reduzir a sua ingestão calórica global e, por sua vez, a perder peso.

  1. Rogers PJ and Appleton KM. The effects of low-calorie sweeteners on energy intake and body weight: a systematic review and meta-analyses of sustained intervention studies. Int J Obes 2020. https://doi.org/10.1038/s41366-020-00704-2
  2. Laviada-Molina H, Molina-Segui F, Pérez-Gaxiola G, et al. Effects of nonnutritive sweeteners on body weight and BMI in diverse clinical contexts: Systematic review and meta-analysis. Obesity Reviews 2020; 21(7): e13020
  3. Miller PE and Perez V. Low-calorie sweeteners and body weight and composition: a meta-analysis of randomized controlled trials and prospective cohort studies. Am J Clin Nutr 2014; 100(3): 765-777
  4. Rogers PJ, Hogenkamp PS, de Graaf C, Higgs S, Lluch A, Ness AR, et al. Does low-energy sweetener consumption affect energy intake and body weight? A systematic review, including meta-analyses, of the evidence from human and animal studies. Int J Obes 2016; 40(3): 381-94
  5. Azad MB, Abou-Setta AM, Chauhan BF, et al. Nonnutritive sweeteners and cardiometabolic health: a systematic review and meta-analysis of randomized controlled trials and prospective cohort studies. Canadian Medical Association Journal 2017; 189(28): E929-E939
  6. Toews I, Lohner S, de Gaudry DK, Sommer J, Meerpohl JJ. Association between intake of non-sugar sweeteners and health outcomes: systematic review and meta-analyses of randomised and non-randomised controlled trials and observational studies. BMJ 2019; 363: k4718