A sucralose é segura e não causa cancro: uma nova revisão da evidência científica é consistente com as decisões regulamentares

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

Uma nova revisão sistemática abrangente, publicada em setembro de 2016 por Berry et al. sobre Nutrition and Cancer: An International Journal, analisou todas as evidências disponíveis e estudos que testaram a segurança e a carcinogenicidade da sucralose e confirmou que o adoçante é seguro para consumir e não causa cancro.

Os especialistas que conduziram esta revisão sistemática, intitulada “Carcinogenicidade da sucralose: uma revisão da fundamentação científica e regulamentar”, conclui que “a evidência confirma que a sucralose não é cancerígena e é segura para consumo. A sucralose não demonstra atividade cancerígena mesmo quando os níveis de exposição são várias vezes superiores do que o intervalo de níveis diários antecipados de ingestão”.

Analisando a literatura científica nesta área, através de uma busca sistemática dos estudos disponíveis, incluindo pesquisas independentes conduzidas e apoiadas pelo setor, sobre a segurança da sucralose, os especialistas concluíram que:

  • Não há evidências de preocupações químicas ou de toxicidade;
  • Nenhum metabolito na sucralose foi detectado como cancerígeno;
  • Não foram observadas alterações nos genes que indiquem efeitos causadores de cancro;
  • Em doses equivalentes a milhares de vezes a ingestão diária máxima esperada em humanos, a toxicidade e os estudos de carcinogenicidade a longo prazo “não apresentaram evidência de sucralose com potencial carcinogénico”.

Todos os adoçantes com baixo teor de calorias, incluindo a sucralose, estão entre os ingredientes mais pesquisados em todo o mundo, com estudos científicos que confirmam de forma consistente a sua segurança, como demonstrado também por esta revisão sistemática recentemente publicada por Berry et al. As autoridades reguladoras reconhecidas mundialmente que aprovaram o seu uso incluem o Comité Misto FAO/OMS de peritos em matéria de aditivos alimentares; a agência norte-americana Food and Drug Administration (FDA); e a Agência Europeia para a Segurança Alimentar (EFSA).

Especificamente, a sucralose foi aprovada para uso como “edulcorante de uso geral em alimentos”” pela US FDA em 1992 e, um ano depois, pelo Comité Científico da Alimentação (SCF) da Comissão Europeia (2000)3 – agora denominado por Agência Europeia para a Segurança Alimentar (EFSA)

De acordo com um comunicado de imprensa divulgado pela Nutrition and Cancer: An International Journal, ocasionalmente surgem preocupações sobre os elementos do nosso estilo de vida que afetam as taxas de cancro. O Professor Dr. Sir Colin Berry, Professor Emérito de Patologia da Universidade de Londres e principal autor do estudo, afirmou: “Esta recente revisão dos estudos de sucralose deve tranquilizar aqueles que optam por este ingrediente, podendo ser particularmente úteis aos cientistas e profissionais de saúde, que podem ser questionados quanto à segurança do adoçante de baixas calorias”.

Pode aceder à publicação original de Berry et al. no site oficial da Nutrition and Cancer: An International Journal aqui.

Para mais informações sobre a sucralose, por favor descarregue o documento informativo técnico sobre sucralose no nosso site aqui.

Ao proporcionar o sabor doce sem as calorias, os adoçante de baixas calorias também podem contribuir de forma decisiva para permitir às pessoas fazer escolhas inteligentes, sem comprometer o sabor agradável do doce e ajudá-las a alcançar uma dieta e estilo de vida equilibrados.
* O estudo foi financiado pela McNeil Nutritionals