O papel do sabor doce na dieta


Publicado: 01 outubro 2016

O sabor doce é classicamente reconhecido como um dos cinco "sabores básicos" detetados pelos receptores sensoriais presentes na cavidade oral. As pesquisas ao longo das últimas décadas sugerem que o gosto pelo doce é inato e influenciado pelas preferências culturais e pessoais.

O sabor doce aumenta a palatabilidade de inúmeros alimentos e bebidas e estimula a ingestão. De forma a permitir que os consumidores desfrutem o sabor doce palatável dos alimentos e bebidas favoritas, sem a carga energética de açúcares, foram desenvolvidos nas últimas décadas diversos adoçantes de baixas calorias. Estes ingredientes têm um poder adoçante muito elevado em comparação com os açúcares, podendo ser usados em quantidades mínimas para conferir o desejado nível de doce aos alimentos e bebidas, contribuindo com muito poucas ou nenhuma caloria para o produto final.

O apetite pelo doce desde o início da vida até a idade adulta

A investigação sugere que o gosto pelo doce é expresso mesmo antes do nascimento. Algumas horas após o nascimento, e antes da primeira experiência de alimentação, o recém-nascido humano responde à percepção de uma solução doce através de uma característica "reação hedónica facial". Os especialistas acreditam que a aceitação inata dos estímulos doces e a rejeição dos amargos se desenvolveram através da evolução natural e constituem uma vantagem adaptativa, preparando os jovens para aceitar espontaneamente fontes de energia e rejeitar substâncias amargas potencialmente tóxicas.

Imagem: Expressões faciais infantis


Apesar de todos os seres humanos expressarem a mesma resposta ao doce imediatamente aps o nascimento o gosto pelos produtos doces mudar com o tempo tornando-se altamente idiossincrtico. Estudos de preferncias de gosto em lactentes mostram que as preferncias de um indivduo se desenvolvem rapidamente no primeiro ano de vida. A atratividade dos produtos doces permanece elevada mas outras dimenses do gosto so progressivamente aceites. Com um ano de idade a criana humana j desenvolveu uma hierarquia individual de gostos e de desagrados

Ao longo da infância, o doce permanece altamente atrativo: as duas características principais que determinam a aceitação de um alimento por uma criança pequena são a familiaridade e o doce. Paralelamente à aquisição de vários gostos alimentares, o gosto pelo doce diminui espontaneamente durante o crescimento. Em adolescentes, a intensidade de doce preferida é menor do que em crianças mais jovens, e é menor em adultos do que em adolescentes. O forte apetite por alimentos doces em indivíduos jovens é visto como uma resposta às elevadas necessidades de energia para o crescimento, uma hipótese consistente com as preferências por maiores concentrações de sacarose observadas em adolescentes, com níveis mais elevados de crescimento linear.

O apetite pelo sabor doce está presente na maioria dos adultos, embora existam grandes diferenças interindividuais, tanto ao nível preferido do sabor doce em produtos familiares, como na variedade de alimentos e bebidas doces que são consumidos.

Referências

  1. Bachmanov AA, Bosak NP, Floriano WB, Inoue M, Li W, Lin C, Murovets VO, Reed DR, Zolotarev VA, Beauchamp GK. Genetics of sweet taste preferences. Flavour Frag J 2011;26:286-294.
  2. De Graaf C, Zandstra AH. Sweetness intensity and pleasantness in children, adolescents, and adults. Physiol Behav 1999;67:513-520
  3. Desor J, Beauchamp GK. Longitudinal changes in sweet preferences in humans. Physiol Behav 1987;39:639-641.
    Mais referências...
  1. Drewnowski A, Mennella JA, Johnson SL et?al. (2012) Sweetness and food preference. The Journal of Nutrition 142: 1142S-1148.
  2. Joseph PV et al. Individual Differences Among Children in Sucrose Detection Thresholds: Relationship With Age, Gender, and Bitter Taste Genotype. Nurs Res 2016; 65(1): 3-12
  3. Mennella JA, Beauchamp GK. Early flavor experiences: research update. Nutr Rev. 1998;56:205-211.
  4. Mennella JA, Pepino MY, Reed DR. Genetic and environmental determinants of bitter perception and sweet preferences. Pediatrics 2005;115:e216-e222.
  5. Mennella JA. Ontogeny of taste preferences: basic biology and implications for health. Am J Clin Nutr 2014;99(Suppl):704S-711S.
  6. Steiner JE. (1973) The gusto-facial response: observation on normal and anencephalic newborn infants, Symp Oral Sens Percep, vol. 4: [pgs. 254-78]
  7. Steiner JE, Glaser D, Hawilo ME, Berridge KC. Comparative expression of hedonic impact: affective reactions to taste by human infants and other primates. Neurosci Biobehav Rev. 2001;25:53-74.
  8. Schwartz C, Issanchou S, Nicklaus S. Developmental changes in the acceptance of the five basic tastes in the first year of life. Br J Nutr 2009;102:375-385.
  9. Ocultar