Declarações sobre a validade das conclusões de um estudo de carcinogenecidade em ratos sobre a sucralose (E 955) elaborado pelo Instituto Ramazzini

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Autor(es): EFSA, Panel on Food Additives and Nutrient Sources Added to Food
Nome da Publicação : EFSA Journal 2017;15(5):4784
Ano de publicação : 2017

Sumário

A Autoridade Europeia de Segurança dos Alimentos (EFSA) rejeitou as conclusões de outro estudo questionável do Instituto Ramazzini e, tal como esperado, reafirmou a segurança da sucralose, concluindo quea informação disponível não suporta as conclusões dos autores (Soffritti et al., 2016) que as neoplasias hematopoiéticas induzidas por sucralose em ratos suíços machos, contrariamente ao que a publicação de Soffritti et al. argumenta, e que várias evidências mostram que a sucralose é segura e não causa cancro . A opinião científica do Painel da EFSA sobre Aditivos Alimentares e Fontes de Nutrientes Adicionados a Géneros Alimentícios (ANS) é inteiramente consistente com o consenso regulatório e científico que a sucralose é segura.

Seguindo a avaliação da validade das conclusões do estudo da sucralose em ratos de Soffritti et al., a EFSA enfatizou o uso de estudo de desenhos não convencionais levando a resultados inconclusivos e não confiáveis e a conclusões com falhas do estudo, que são só alguns dos problemas sérios identificado na avaliação no estudo. Os peritos da EFSA criticaram as lacunas significativas na metodologia usada no Instituto Ramazzini na publicação de Soffritti et al. e sublinhou que:

  • não houve relação dose-resposta entre a exposição à sucralose e os alegados “efeitos” relatados no estudo;
  • não existe um modo de ação conhecido pelo qual a sucralose pode causar efeitos cancerígenos e o estudo não consegue atender aos critérios padrão (Bradford-Hill) para uma relação causa-efeito entre a ingestão de sucralose e o desenvolvimento de tumores;
  • o desenho do estudo incluiu um tratamento que durou até à morte natural dos animais, por outras palavras, os ratos foram doseados até morrerem, o que compromete uma interpretação dos dados confiável, dado que as incidências dos tumores podem aumentar com a idade;
  • Uma base de dados abrangente está disponível e não mostra efeitos carcinogénicos para a sucralose, reportado em estudos adequados em ratos e ratazanas.

 

Por favor leia mais sobre o parecer científico da EFSA num artigo dedicado no site da ISA que pode aceder online aqui e na declaração da ISA ao clicar aqui.

Ver o documento completo