Avaliação da ingestão dietética de 10 adoçantes intensos pela população italiana

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Autor(es): Donne CL, Mistura L, Goscinny S, Janvier S, Cuypers K, D'Addezio L, Sette S, Catasta G, Ferrari M, Piccinelli R, Van Loco J, Turrini A
Nome da Publicação : Food and Chemical Toxicology, 2017; 102: 186e197
Ano de publicação : 2017

Sumário

Tendo recolhido e analisado uma amostra representativa de 326 alimentos contendo adoçantes de baixas calorias, e com base na estimativa da exposição dietética usando a abordagem em níveis, o estudo de Le Donne et al. concluiu que não existe nenhum risco relacionado com o consumo de produtos sem açúcar na Itália. Especificamente, o presente estudo confirma que a ingestão diária entre os consumidores de alimentos fonte de adoçantes baixos em calorias na Itália, é bastante inferior à dose diária recomendável (DDR) considerando todas as classes etárias e género. De facto, o risco de ultrapassar as DDRs dos adoçantes estudadosnos consumidores italianos revelou ser muito baixo, tanto ao nível da abordagem mais conservadora (Nível 2) quanto quando os níveis reais de concentração nos alimentos foram tidos em consideração (nível 3 ). Mais estudos, realizados anteriormente na Itália, também mostraram que as ingestões estão significativamente abaixo da DDR estabelecida para os respectivos adoçantes, tanto na população de adolescentes (Leclercq et al., 1996) como na de adultos (Arcella et al., 2004; Vin et al., 2013).

Ver o documento completo