Os adoçantes sem ou de baixas calorias têm um papel útil a desempenhar na gestão da diabetes

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

Declaração da ISA em resposta ao estudo desenvolvido por Lohner et al.

Bruxelas, 26 de Maio 2020: Em resposta ao novo estudo apresentado por Lohner et al.1 a Associação Internacional de Adoçantes (ISA) destaca que as provas colectivas confirmam que os adoçantes sem ou de baixas calorias podem ser consumidos com segurança por pessoas com diabetes e têm um papel útil a desempenhar na gestão da diabetes.

Os adoçantes sem ou de baixas calorias, igualmente referidos como adoçantes intensos ou adoçantes não nutritivos, são ingredientes alimentares com sabor doce e sem, ou praticamente sem, calorias que são utilizados em alimentos e bebidas, bem como em adoçantes de mesa em vez do açúcar para proporcionar a doçura desejada com menos ou zero calorias. É importante também notar que os adoçantes sem ou de baixas calorias podem oferecer uma ajuda significativa às pessoas com diabetes que precisam de gerir a sua ingestão de hidratos de carbono. Estes permitem que o façam, embora ainda sejam capazes de desfrutar de alimentos e bebidas de sabor doce.

Com efeito, foram efectuadas revisões sistemáticas exaustivas que examinaram o efeito potencial dos adoçantes sem ou de baixas calorias no controlo glicémico. E as provas obtidas a partir destas, incluindo o artigo de Lohner et al., demonstram que os adoçantes sem ou de baixas calorias não aumentam os níveis de glicose no sangue nem em nada afectam o controlo da glicemia.2,3 Além do mais, com base numa revisão das provas colectivas, a Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA) concluiu num parecer científico que: “Consumo de alimentos que contenham edulcorantes intensos em vez de açúcar induz um menor aumento da glicose no sangue após o seu consumo em comparação com os alimentos que contêm açúcar”.4 Esta é uma alegação de saúde autorizada na UE.

A glicemia pós-prandial (isto é, após as refeições) desempenha um papel importante no controlo global da glicemia. É fundamental que os níveis de glicose no sangue se mantenham numa faixa saudável ao longo do dia, inclusive após uma refeição, uma vez que a hiperglicemia pode causar danos ou complicações ao organismo ao longo de muitos anos. Como este estudo realizado por Lohner et al. exclui uma série de estudos clínicos que investigam o efeito agudo dos adoçantes sem ou de baixas calorias nos níveis de glicose, não pode determinar, a curto prazo, o efeito dos adoçantes sem ou de baixas calorias na diabetes nos níveis de glicose no sangue pós-prandial. Por outro lado, os resultados deste estudo são, não obstante, coerentes com as provas coletivas que os adoçantes sem ou de baixas calorias não têm efeitos adversos e podem ser utilizados com segurança para ajudar a controlar a ingestão de açúcar, quer em pessoas com diabetes, quer em indivíduos saudáveis com níveis normais de glicose no sangue.

Várias organizações no domínio da saúde a nível mundial apoiam igualmente o papel útil dos adoçantes sem ou de baixas calorias na diabetes, incluindo:

  • Associação Diabetes UK, que publicou em Dezembro de 2018 uma Declaração de Posição sobre os adoçantes sem ou de baixas calorias (LNSC) e concluiu que os: “LNCS revelam ser seguros e podem ser utilizados como parte de uma estratégia para adultos e crianças na gestão do peso e da diabetes ”;5
  • Associação Americana de Diabetes (ADA), concluiu, num Relatório de Consenso em 2019, que: “A substituição de açúcares adicionados por substitutos de açúcar poderia diminuir a ingestão diária de hidratos de carbono e calorias. Estas alterações na alimentação poderiam influenciar favoravelmente o controlo glicémico, de peso e cardiometabólico. ”;6
  • Associação Latino-Americana de Diabetes (Asociación Latinoamericana de Diabetes (ALAD)) concluiu em 2018 que o consumo de adoçantes sem ou de baixas calorias é seguro dentro dos níveis da Dose Diária Admissível (DDA) e que a sua utilização pode ter benefícios na redução calórica, na perda de peso e no controlo da glicose, quando utilizados para substituir o açúcar no contexto de um plano alimentar estruturado.7

É evidente que, para serem aprovados para utilização no mercado, todos os adoçantes sem ou de baixas calorias, como qualquer ingrediente alimentar, passam primeiro por um processo completo de avaliação da segurança pelo órgão regulador competente que avalia todos os tipos de estudos que examinam os potenciais efeitos secundários.8,9,10

Numa altura em que a obesidade e as doenças não transmissíveis, incluindo a diabetes, continuam a ser os principais desafios globais da saúde e, à luz das recomendações atuais de saúde pública para reduzir a ingestão geral de açúcar, os adoçantes sem ou de baixas calorias podem ser úteis na criação de ambientes alimentares mais saudáveis. Eles fornecem às pessoas uma ampla variedade de opções de sabor doce com baixas ou nenhumas calorias e, portanto, podem ser uma ferramenta útil, quando usados no lugar do açúcar e como parte de uma alimentação equilibrada, ajudando a reduzir a ingestão geral de açúcar e calorias, bem como na gestão dos níveis de glicose no sangue. Os adoçantes sem ou de baixas calorias também não são fermentáveis por bactérias orais, o que significa que eles não contribuem para a cárie dentária.7

  1. Lohner S, Kuellenberg de Gaudry D, Toews I, Ferenci T, Meerpohl JJ. Non-nutritive sweeteners for diabetes mellitus. Cochrane Database of Systematic Reviews 2020, Issue 5. Art. No.: CD012885. DOI: 10.1002/14651858.CD012885.pub2.
  2. Nichol AD, Holle MJ, An R. Glycemic impact of non-nutritive sweeteners: a systematic review and meta-analysis of randomized controlled trials. Eur J Clin Nutr 2018; 72: 796-804
  3. Tucker RM, Tan SY. Do non-nutritive sweeteners influence acute glucose homeostasis in humans? A systematic review. Physiol Behav 2017; 182: 17-26
  4. EFSA. Scientific opinion on the substantiation of health claims related to intense sweeteners. EFSA Journal 2011; 9(6): 2229. Available online: http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.2903/j.efsa.2011.2229/epdf
  5. Diabetes UK. The use of low or no calorie sweeteners. Position Statement (Updated December 2018). Available at: https://www.diabetes.org.uk/professionals/position-statements-reports/food-nutrition-lifestyle/use-o…
  6. Evert AB, Dennison M, Gardner CD, Garvey WT, Lau KHK, MacLeod J, Mitri J, Pereira RF, Rawlings K, Robinson S, Saslow L, Uelmen A, Urbanski PB, Yancy Jr. WS. Nutrition Therapy for Adults with Diabetes or Prediabetes: A Consensus Report. Diabetes Care. 2019 May;42(5):731-754
  7. Laviada-Molina H, Escobar-Duque ID, Pereyra E, Romo-Romo A, Brito-Córdova G, Carrasco-Piña E, González-Suárez R, López-García R, Molina-Seguí F, Mesa-Pérez JA. Consenso de la Asociación Latinoamericana de Diabetes sobre uso de edulcorantes no calóricos en personas con diabetes [Consensus of the Latin-American Association of Diabetes on low calorie sweeteners in persons with diabetes]. Rev ALAD. 2018;8:152-74
  8. http://www.fao.org/food/food-safety-quality/scientific-advice/jecfa/en/
  9. http://www.fda.gov
  10. http://www.efsa.europa.eu/en/topics/topic/sweeteners