Órgãos de regulação em matéria de segurança alimentar confirmam a segurança dos adoçantes de baixas calorias

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

Resposta da ISA ao estudo desenvolvido por Harpaz et al.

Em resposta ao recente estudo realizado por Harpaz et al1, a Associação Internacional de Adoçantes (ISA) gostaria de afirmar que todos os adoçantes de baixas calorias aprovados estão entre os ingredientes mais investigados de forma exaustiva e criteriosa em todo o mundo.

Antes de serem aprovados para uso no mercado, os adoçantes de baixas calorias devem passar por uma avaliação de segurança completa pela autoridade competente em matéria de segurança alimentar, como o Comité Misto de Peritos em domínio dos Aditivos Alimentares (JECFA) da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) e a Organização Mundial da Saúde (OMS), a agência norte-americana US Food and Drug Administration (FDA) e a Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA). Com base em ensaios exaustivos e uma forte fundamentação científica, vários organismos reguladores responsáveis pela segurança alimentar em todo o mundo confirmam consistentemente a sua segurança.

O estudo desenvolvido por Harpaz et al. não faculta qualquer evidência que os adoçantes de baixas calorias podem ser tóxicos para os micróbios intestinais em humanos. De facto, estas conclusões resultam de uma experiência in vitro, que expôs as bactérias a diferentes concentrações muito altas de adoçantes de baixas calorias fora do corpo humano. É importante mencionar que as condições de testes in vitro poderiam ter causado reações que não seriam observadas em condições reais de exposição em seres humanos, o que significa que, sob tais condições, o estudo não pode prever o que aconteceria para uma utilização real de adoçantes na vida quotidiana.

Um forte conjunto de elementos de prova e de estudos bem desenhados e robustos realizados in vivo, tanto em animais quanto em seres humanos de acordo com métodos de orientação validados ou oferecendo um nível equivalente, confirmaram que os adoçantes de baixas calorias são seguros2,3,4.

  1. Harpaz D, Yeo LP, Cecchini F, Koon THP, Kushmaro A, Tok AIY, Marks RS, Eltzov E. Measuring artificial sweeteners toxicity using a bioluminescent bacterial panel. Molecules 2018; 23(10): 2454
  2. Fitch C, Keim KS; Academy of Nutrition and Dietetics (US). Position of the Academy of Nutrition and Dietetics: use of nutritive and non-nutritive sweeteners. J Acad Nutr Diet 2012; 112(5): 739-58
  3. Magnuson BA, Carakostas MC, Moore NH, Poulos SP, Renwick AG. Biological fate of low-calorie sweeteners. Nutr Rev 2016; 74(11): 670-689
  4. Serra-Majem L, Raposo A, Aranceta-Bartrina J, et al. Ibero–American Consensus on Low- and No-Calorie Sweeteners: Safety, nutritional aspects and benefits in food and beverages. Nutrients 2018; 10: 818