Não há nenhum efeito adverso dos adoçantes sem ou de baixas calorias na microbiota intestinal

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

Declaração da ISA em resposta ao novo estudo in vitro desenvolvido por Markus et al.

Bruxelas, 8 de dezembro de 2020: Em resposta a um novo estudo in-vitro desenvolvido por Markus et al.,1 a Associação Internacional de Adoçantes (ISA) aponta para os pareceres das autoridades reguladoras de todo o mundo que confirmaram consistentemente a segurança de todos os adoçantes sem ou de baixas calorias aprovados, incluindo os glicosídeos de esteviol.2,3,4,5

De facto, os adoçantes sem ou de baixas calorias estão entre os ingredientes mais investigados em todo o mundo. É evidente que, para serem aprovados para utilização, as autoridades reguladoras avaliam exaustivamente todos os tipos de estudos que examinam os potenciais efeitos secundários, incluindo qualquer efeito sobre a função intestinal.

Além disso, os estudos atuais não estabelecem qualquer evidência de qualquer efeito adverso dos adoçantes sem ou de baixas calorias sobre a microbiota intestinal em doses relevantes para o uso humano. Além disso, os resultados dos estudos de metabolismo e segurança não mostram evidências de um provável mecanismo para um efeito clinicamente relevante sobre a microbiota intestinal.6

Ao olhar mais de perto para a desenho do estudo realizado por Markus et al., existem várias preocupações. Antes de mais, é importante salientar que as experiências in vitro expõem geralmente as células a concentrações elevadas do ingrediente testado fora do corpo humano. Isto significa que as condições de teste in vitro podem causar reações que não seriam vistas em condições reais de exposição em humanos. Além disso, o desenho do estudo ignora as vias metabólicas bem compreendidas da estévia no intestino. Assim, e tal como foi também reconhecido pelos autores, este desenho de estudo não pode ser preditivo do que aconteceria na utilização real de glicosídeos de esteviol ou de qualquer outro edulcorante. Na realidade, tais estudos não podem reproduzir todo o sistema, complexo e interativo que está presente num animal / ser humano.

Numa altura em que a obesidade e as doenças não transmissíveis, incluindo a diabetes e as doenças orais, continuam a ser grandes desafios de saúde à escala mundial, e à luz das atuais recomendações de saúde pública para reduzir o consumo global de açúcar, os adoçantes sem ou de baixas calorias, incluindo os glicosídeos de esteviol, podem ser úteis na criação de ambientes alimentares mais saudáveis. Estes podem proporcionar uma ampla escolha de opções de sabor doce com poucas ou nenhumas calorias, e, assim, podem ser uma ferramenta útil, quando utilizados em vez do açúcar e como parte de um regime alimentar equilibrado, para ajudar a reduzir o consumo global de açúcar e de calorias.