Uma revisão científica de 2018: As investigações mais recentes sobre os adoçantes de baixas calorias

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

Destaques:

  • Os consumidores de adoçantes de baixas calorias têm uma alimentação mais equilibrada e maior qualidade e um menor consumo de açúcar, de acordo com os novos dados apresentados da Austrália, Brasil, Reino Unido e dos EUA
  • Somando-se às evidências atuais, os novos ensaios clínicos confirmam que os adoçantes de baixas calorias não aumentam o apetite, o gosto pela doçura ou a ingestão de alimentos doces
  • Orientações nutricionais para a diabetes: os adoçantes de baixas calorias não aumentam os níveis de glicose no sangue e podem ser recomendados para pessoas com diabetes

Novas investigações publicadas em 2018

Quanto melhorámos o nosso conhecimento sobre os adoçantes de baixas calorias em 2018? Novos estudos significativos, incluindo revisões sistemáticas e ensaios clínicos aleatórios bem concebidos (RCTs) publicados este ano, forneceram evidências adicionais sobre o papel dos adoçantes de baixas calorias na alimentação humana e avançaram o nosso conhecimento sobre os benefícios desses ingredientes alimentares de sabor doce e sem ou com baixas calorias. Com este artigo, pretendemos fornecer uma breve revisão dos novos dados provenientes de publicações importantes e os eventos científicos que ocorreram em 2018.

Adoçantes de baixas calorias consumidos como parte de uma alimentação equilibrada e de elevada qualidade

Este ano tem havido várias novas publicações de estudos que examinaram a qualidade da alimentação de pessoas que consomem adoçantes de baixas calorias. Analisando dados de estudos populacionais na Austrália (Grech et al, 2018), no Brasil (Silva-Monteiro et al, 2018), no Reino Unido (Patel et al, 2018) e nos EUA (Malek et al, 2018), estes estudos confirmaram anteriores descobertas que os consumidores de adoçantes de baixas calorias têm menor ingestão de açúcar, assim como vários outros comportamentos alimentares que estão ligados a uma maior qualidade da alimentação.

Em relação à presença de adoçantes de baixas calorias em produtos alimentares, uma análise interessante de 1,164 produtos alimentares de diferentes marcas do Estudo espanhol ANIBES, um estudo transversal de uma amostra representativa da população espanhola, mostrou que 10% dos alimentos e das bebidas continham adoçantes de baixas calorias na sua composição e um adicional de 5.1% dos produtos tinham adicionado açúcares e adoçantes juntos, contra 42% dos produtos que incluíam algum tipo de açúcar adicionado (Samaniego-Vaesken et al, 2018).

Não há evidência que as preferências alimentares possam mudar com uma menor exposição à doçura

Uma hipótese frequentemente sugerida de que uma menor exposição à doçura poderia diminuir a nossa preferência e gosto pelo sabor adocicado e, por sua vez, poderia levar à redução do consumo de açúcar e energia e, portanto, à perda de peso não é sustentada pelas evidências disponíveis, de acordo com uma nova revisão sistemática realizada por Appleton et al (2018). Em contraste, estudos em humanos mostram que, pelo menos a curto prazo, comer algo doce sacia o nosso apetite por doçura, enquanto dados de longo prazo mostram que a exposição a uma menor doçura não afeta a preferência pela mesma. Em relação aos adoçantes de baixas calorias, ensaios clínicos aleatórios e controlados publicados este ano confirmaram que não aumentam o apetite nem a ingestão de alimentos quando comparados à água (Fantino et al, 2018; Higgins et al, 2018), enquanto numerosos estudos anteriores mostraram que eles levam a uma redução na ingestão de calorias quando comparados aos açúcares (Serra-Majem et al, 2018).

Adoçantes de baixas calorias na diabetes

As orientações de nutrição baseadas em evidências publicadas em 2018 pela associação Diabetes UK para a prevenção e gestão da diabetes reafirmaram que: “os adoçantes de baixas calorias são seguros e devem ser recomendados”. O painel de especialistas concluiu que, para pessoas que estão acostumadas a produtos açucarados, os adoçantes de baixas calorias têm o potencial de reduzir o consumo geral de energia e hidratos de carbono, e que devem ser preferidos face ao açúcar quando consumidos com moderação, dado que podem ser uma estratégia útil para esses indivíduos que procuram controlar a ingestão de calorias e gerir o seu peso (Dyson et al, 2018). Dois meses após a publicação pela associação Diabetes UK, uma nova revisão sistemática e meta-análise de 29 ensaios clínicos aleatórios (RCTs) desenvolvida por Nichol et al concluiu que os adoçantes de baixas calorias não aumentam nem afetam os níveis de glicose no sangue, e que esta ausência do impacto glicémico do consumo de adoçantes de baixas calorias torna-os numa ajuda dietética potencialmente útil para pessoas com diabetes ou num programa de perda de peso (Nichol et al, 2018).

Para informações mais detalhadas sobre as publicações científicas mais recentes e importantes sobre os adoçantes de baixas calorias, pode aceder à Biblioteca Científica da ISA que fornece breves resumos com os principais resultados de estudos científicos revistos por pares ao clicar aqui.

Perdeu a Conferência ISA em 2018? A mais recente ciência apresentada em Londres por especialistas de renome internacional

World Diabetes Day 2017

Na 3.ª Conferência da Associação Internacional de Adoçantes (ISA), organizada em Londres, Reino Unido, a 6 de novembro de 2018, dezassete especialistas científicos internacionais com muitos anos de experiência e investigação em áreas relacionadas com os adoçantes de baixas calorias apresentaram evidências atuais sobre o uso, papel e benefícios dos adoçantes de baixas calorias e discutiram quais são as necessidades futuras de investigação e desenvolvimento neste campo. Os resultados da Conferência da ISA 2018 estão resumidos em dois artigos publicados recentemente, enquanto as palestras e entrevistas em vídeo serão divulgadas em breve. Gostaríamos de o convidar a ler:

  • O que sabemos sobre os adoçantes de baixas calorias?” Uma revisão da Conferência (parte 1) – Disponível aqui
  • Investigação emergente sobre os adoçantes de baixas calorias.” Uma revisão da Conferência (parte 2) – Disponível aqui

Mais novidades do congresso 2018

Ao convidar especialistas científicos externos para apresentar e discutir a mais recente ciência publicada sobre os adoçantes de baixas calorias, este ano a ISA organizou vários simpósios em importantes congressos e eventos científicos na Europa e na América Latina. Pode obter mais informação sobre os resultados desses eventos científicos ao ler os artigos científicos publicados no site da ISA em 2018:

  1. Notícias científicas do simpósio ISA na conferência de nutrição GANEPÃO 2018 no Brasil (junho de 2018): “Sabor doce – sem calorias: Especialistas apresentam as mais recentes evidências científicas sobre a segurança, papel e benefícios dos adoçantes de baixas calorias” – por favor clique aqui para rever
  2. Notícias científicas do 36.º Simpósio sobre Diabetes e Nutrição na Croácia (junho de 2018): “Adoçantes de baixas calorias e microbiota intestinal: nenhum efeito confirmado em seres humanos” – por favor clique aqui para rever
  3. Notícias científicas da conferência AFDN em França (junho de 2018): “Adoçantes de baixas calorias: a partir de evidências científicas… para o uso prático”, da autoria de Audrey Aveaux – por favor clique aqui para rever
  4. Notícias científicas do Congresso FELANPE 2018 no México (setembro de 2018): “Os adoçantes de baixas calorias são seguros e podem trazer benefícios no controlo de peso e glicose ” – por favor clique aqui para rever
  5. Notícias científicas da Conferência EFAD 2018 na Holanda (setembro de 2018): “ O que é que sabemos sobre preferência por doçura?” – por favor clique aqui para rever

Esperamos que goste de ler a revisão científica de 2018. Da nossa parte, estamos empenhados em continuar a trazer-lhe as notícias científicas mais recentes e importantes para o próximo ano e desejamos-lhe tudo de melhor e um feliz 2019!

Referências

  1. Appleton KM, Tuorila H, Bertenshaw EJ, de Graaf C, Mela DJ. Sweet taste exposure and the subsequent acceptance and preference for sweet taste in the diet: systematic review of the published literature. Am J Clin Nutr 2018; 107: 405–419
  2. Dyson PA, Twenefour D, Breen C, et al. Diabetes UK Position Statements. Diabetes UK evidence-based nutrition guidelines for the prevention and management of diabetes. Diabet Med. 2018; 35: 541-547
  3. Fantino M, Fantino A, Matray M, Mistretta F. Beverages containing low energy sweeteners do not differ from water in their effects on appetite, energy intake and food choices in healthy, non-obese French adults. Appetite 2018; 125: 557-565
  4. Grech A, Kam CO, Gemming L and Rangan A. Diet-Quality and Socio-Demographic Factors Associated with Non-Nutritive Sweetener Use in the Australian Population. Nutrients 2018; 10(7): 833
  5. Higgins KA, Considine RV, Mattes RD. Aspartame Consumption for 12 Weeks Does Not Affect Glycemia, Appetite, or Body Weight of Healthy, Lean Adults in a Randomized Controlled Trial. J Nutr 2018; 148: 650–657
  6. Malek AM, Hunt KJ, DellaValle DM, Greenberg D, Peter JV, Marriott BP. Reported Consumption of Low-Calorie Sweetener in Foods, Beverages, and Food and Beverage Additions by US Adults: NHANES 2007–2012. Curr Dev Nutr. 2018 Sep; 2(9): nzy054
  7. Nichol AD, Holle MJ, An R. Glycemic impact of non-nutritive sweeteners: a systematic review and meta-analysis of randomized controlled trials. Eur J Clin Nutr 2018; 72: 796-804
  8. Patel L, Alicandron G, La Vecchia C. Low-calorie beverage consumption, diet quality and cardiometabolic risk factor in British adults. Nutrients 2018; 10: 1261
  9. Serra-Majem L, Raposo A, Aranceta-Bartrina J, et al. Ibero–American Consensus on Low- and No-Calorie Sweeteners: Safety, nutritional aspects and benefits in food and beverages. Nutrients 2018; 10: 818
  10. Silva Monteiro L, Kulik Hassan B, Melo Rodrigues PR, Massae Yokoo E, Sichieri R, Alves Pereira R. Use of table sugar and artificial sweeteners in Brazil: National Dietary Survey 2008-2009. Nutrients 2018 Mar 1;10(3). pii: E295. doi: 10.3390/nu10030295
  11. Samaniego-Vaesken ML, Ruiz E , Partearroyo T, Aranceta-Bartrina J , Gil A, González-Gross M, Ortega RM, Serra-Majem L and Varela-Moreiras G. Added Sugars and Low- and No-Calorie Sweeteners in a Representative Sample of Food Products Consumed by the Spanish ANIBES Study Population. Nutrients 2018; Sep 7; 10(9): pii: E1265