Podem os adoçantes de baixas calorias ajudar-nos a reduzir o açúcar ingerido?

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

Mensagens fundamentais de um webinar da Fundação Britânica de Nutrição (BNF)

 

Destaques:

  • No clima atual, onde a obesidade é um grande problema de saúde pública, os adoçantes de baixas calorias oferecem uma ferramenta útil para uma reformulação para se alcançar a redução de açúcar e calorias em alguns produtos.
  • Muitas autoridades de saúde destacam que a substituição de açúcares por adoçantes de baixas calorias pode ser útil na redução de energia e, portanto, na gestão e controlo de peso. A Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos aprovou as alegações de saúde para os adoçantes de baixas calorias em relação à saúde dentária e ao controlo da glicose pós-prandial.
  • A partir das evidências atualmente disponíveis, sugere-se que a exposição ao gosto doce pode resultar numa redução na preferência e ingestão de sabor doce a curto prazo, mas são necessárias mais investigações para efeitos a longo prazo.

Numa época em que são discutidas e implementas políticas na Europa para ajudar a reduzir a epidemia da obesidade, todas as estratégias que possam contribuir para reduzir o consumo excessivo de energia, gordura ou açúcar na população são de grande interesse para cientistas, investigadores, profissionais de saúde e especialistas em saúde pública e a indústria de alimentos. Neste contexto, um workshop online organizado pela Fundação Britânica de Nutrição (BNF) a 16 de maio de 2018, intitulado “Uma solução doce: Podem os adoçantes de baixas calorias ajudar-nos a reduzir o consumo de açúcar?”, proporcionou novas informações científicas interessantes sobre este tópico.

O papel dos adoçantes de baixas calorias na redução de energia e açúcar, bem como na gestão e controlo de peso foi abordado neste webinar por especialistas britânicos desta área científica, incluindo Sara Stanner, que apresentou o webinar em nome da BNF e o Prof. Peter Rogers, Universidade de Bristol, o Dr. Duane Mellor, da Universidade de Coventry e da Associação Dietética Britânica, a Prof.ª Katherine Appleton, da Universidade de Bournemouth e a Dr.ª Una Masic, Universidade de Liverpool, Reino Unido. As principais observações de cada palestra estão resumidas neste artigo.

Adoçantes de baixas calorias podem ajudar a reduzir o consumo de energia

Ao reduzir o teor calórico de alimentos e bebidas, pode-se esperar que os adoçantes de baixas calorias diminuam a ingestão total de calorias e, assim, diminuam o peso corporal. Os efeitos na perda de peso dependem, é claro, da extensão da redução de calorias nos produtos e podem ser influenciados pela dinâmica do controlo de peso. Ao apresentar os dados de um recente trabalho de revisão sistemática, o Prof. Peter Rogers concluiu que as evidências disponíveis até à data em estudos humanos controlados indicam claramente que o consumo de adoçantes de baixas calorias em vez de açúcar pode ajudar a reduzir a ingestão total de calorias, pois as calorias “poupadas” da troca calórica pelos adoçantes de baixas calorias não são totalmente compensadas. Assim, os adoçantes de baixas calorias também podem ser úteis na perda de peso quando consumidos como parte de um programa de gestão e controlo de peso e de uma dieta com controlo de calorias.

Ferramentas úteis para uma dieta saudável em geral

Ao apresentar uma abordagem dietética e mais prática, o Dr. Duane Mellor discutiu o papel dos adoçantes de baixas calorias no contexto de um regime alimentar global. Quando se trata de nutrição, olhar para a qualidade da alimentação como um todo, em vez de se concentrar em ingredientes individuais ou em trocas simples, é a abordagem correta. Assim, como parte de um regime alimentar global, os adoçantes de baixas calorias podem constituir um meio para ajudar a reduzir o consumo energético e, especialmente, o consumo de açúcar e podem ser uma ferramenta útil para pessoas com problemas na gestão e controlo de peso e para pessoas que vivem com diabetes. O Dr. Mellor também destacou a importância de desfrutar a comida que comemos enquanto, ao mesmo tempo, procuramos uma alimentação mais saudável, e que a redução da ingestão de açúcar pode às vezes ir contra a primeira. Os adoçantes de baixas calorias podem ajudar a substituir parte do açúcar, enquanto ainda mantêm o prazer do sabor doce na alimentação, mas, como acontece com todos os ingredientes, eles devem ser consumidos simultaneamente com uma alimentação saudável global.

De que forma a exposição repetida ao sabor doce pode afetar a ingestão de alimentos doces?

O impacto do consumo de sabor adocicado na subsequente preferência generalizada pelo sabor doce e ingestão de outros alimentos com sabor adocicado foi abordado pela Prof.ª Katherine Appleton, que apresentou as evidências mais recentes nesta área com base num estudo publicado recentemente sobre a revisão sistemática da literatura. A Prof.ª Appleton observou que, enquanto que são necessários mais estudos em torno deste tópico, as evidências atuais de estudos controlados sugerem que uma maior exposição ao sabor doce tende a levar a uma menor preferência pela doçura a curto prazo. Assim, a exposição ao gosto doce de alimentos com baixos níveis de açúcares, por exemplo, aqueles com adoçantes de baixas calorias, pode não apenas substituir o consumo de açúcares, mas também reduzir o desejo de sabor doce de outras fontes. Embora exista a necessidade de mais pesquisas para confirmar este efeito benéfico a longo prazo, as evidências atuais claramente não sustentam a noção de que a exposição ao doce pode levar à habituação ou aumento da preferência pelo sabor doce ou que, ao reduzir a exposição ao sabor doce, poderíamos mudar a nossa preferência futura ou reduzir a ingestão de alimentos doces.

Um tópico de elevado interesse científico

Novos projetos de investigação de longo prazo que exploram o impacto dos adoçantes de baixas calorias na gestão e controlo de peso e nos parâmetros psicológicos e fisiológicos de longo prazo estão a caminho e permitirão alguns novos e excitantes resultados. A Dr.ª Una Masic apresentou o protocolo do estudo SWITCH em curso (EffectS of non-nutritive sWeetened beverages on appetITe during aCtive weigHt loss / Efeito das bebidas não nutritivas no apetite durante uma perda ativa de peso), um ensaio controlado aleatório de 2 anos que examina o efeito de bebidas com adoçantes de baixas calorias na perda de peso e manutenção do peso a longo prazo em comparação com a água.

Mensagens a reter

atual evidência sustenta que os adoçantes de baixas calorias podem ser úteis na redução da nossa ingestão diária de energia e de açúcar e podem-nos ajudar a satisfazer a nossa preferência inata pelo sabor doce. Eles também podem servir como ponto de partida rumo a uma alimentação mais saudável, que ainda oferece o prazer do sabor doce com menos açúcar. Mas, claro, a fim de contribuir para a perda de peso, eles têm que ser consumidos simultaneamente com um programa de controlo de peso comportamental e no âmbito de uma alimentação saudável global. Quando se trata da nossa alimentação, são as nossas escolhas alimentares que podem fazer a diferença para uma maior qualidade da dieta.

Mais informações sobre o webinar da BNF

A substituição de açúcar por adoçantes sem ou de baixas calorias é uma estratégia possível para reduzir a ingestão calórica na batalha contra a obesidade em toda a UE. A Fundação Britânica de Nutrição (BNF) realizou um webinar com especialistas com o objetivo de aprofundar a nossa compreensão sobre os adoçantes de baixas calorias, incluindo a sua segurança e se estes podem ser úteis na redução do consumo de açúcar e na gestão e controlo de peso.

O webinar pode ser acedido através do site da BNF e está disponível em inglês, francês e espanhol: www.nutrition.org.uk/bnf-talks.html?bnf-webinars

  1. Appleton KM, Tuorila H, Bertenshaw EJ et al. (2018) Sweet taste exposures and the subsequent acceptance and preference for sweet taste in the diet: Systematic review of the published literature. American Journal of Clinical Nutrition; 107:405-19.
  2. Rogers PJ, Hogenkamp PS, de Graaf C et al. (2016) Does low-energy sweetener consumption affect energy intake and body weight? A systematic review, including meta-analyses, of the evidence from human and animal studies. Int J Obes; 40:381-394
  3. Masic U, Harrod JA, Christiansen P et al. (2017) EffectS of non-nutritive sWeetened beverages on appetITe during aCtive weigHt loss (SWITCH): Protocol for a randomized, controlled trial assessing the effects of non-nutritive sweetened beverages compared to water during a 12-week weight loss period and a follow up weight maintenance period. Contemp Clin Trials; 53:80-88