Os adoçantes de baixas calorias podem fazer parte das orientações alimentares para ajudar na redução do açúcar

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

Consenso de especialistas internacionais sobre segurança, uso e benefícios dos adoçantes de baixas calorias como substitutos do açúcar

Os alimentos e bebidas com adoçantes de baixas calorias podem ser incluídos nas orientações e recomendações dietéticas como opções alternativas para produtos adoçados com açúcar; Os adoçantes de baixas calorias são ingredientes seguros com potenciais benefícios para o controlo de peso, controlo da glicose na diabetes e na saúde oral, quando utilizados em vez do açúcar. Estas são algumas das principais conclusões de um painel internacional de mais de 60 especialistas científicos que se reuniram numa reunião científica em Lisboa, de 2 a 4 de julho de 2017, organizada pela Fundação para a Investigação Nutricional (FIN), em colaboração com a Universidade Lusófona de Lisboa, e com o apoio de 43 organizações e fundações especializadas em nutrição e dietética, sociedades médicas, universidades e centros de investigação na Europa e América Latina, incluindo a da Associação Internacional de Adoçantes (ISA). As conclusões desta reunião foram compiladas num documento de consenso que foi publicado em junho de 2018.1 O objetivo do documento, tal como o Prof. Lluís Serra-Majem, Professor de Medicina Preventiva e Saúde Pública, Diretor do Instituto de Pesquisa de Ciências Biomédicas e da Saúde da Universidade de Las Palmas de Gran Canaria e Presidente da Fundação de Pesquisa Nutricional Espanhola (FIN), destaca, num comunicado de imprensa2, é: “fornecer um ponto de referência útil e baseado em evidências para ajudar nos esforços para reduzir o consumo de açúcares livres, de acordo com as atuais recomendações internacionais de saúde pública”.

Destaques:

  • A segurança dos adoçantes de baixas calorias foi revista e confirmada pelas agências reguladoras de saúde globalmente; eles estão entre os ingredientes mais extensivamente avaliados na cadeia alimentar humana.
  • A utilização de adoçantes de baixas calorias no lugar do açúcar pode proporcionar benefícios no contexto de programas de redução de peso, no controlo da diabetes e na saúde oral.
  • Sugere-se que os alimentos e as bebidas com adoçantes de baixas calorias sejam incluídos nas orientações dietéticas como opções alternativas para as versões adoçadas com açúcar.
  • A educação do consumidor sobre os adoçantes de baixas calorias deve ser reforçada de forma rigorosa e objetiva, com base nas melhores evidências científicas e processos regulamentares.
  • Profissionais de saúde são uma importante fonte de informação científica; uma educação contínua para este grupo sobre a ciência em volta dos adoçantes de baixas calorias é necessária.

Conclusões da reunião de Consenso Ibero-Americana de Lisboa

Com o objetivo de facultar um ponto de referência útil e baseado em evidências para ajudar nos esforços para reduzir o consumo de açúcar, de acordo com as atuais recomendações internacionais de saúde pública, mais de 60 especialistas científicos internacionais em alimentos, nutrição, dietética, endocrinologia, toxicologia e saúde pública reuniram-se em Lisboa para discutir e rever as evidências atuais em relação ao uso de adoçantes de baixas calorias como substitutos do açúcar. Os tópicos abordados durante a reunião de Lisboa e um posterior documento publicado sobre o consenso1 incluem: segurança e a regulamentação dos adoçantes de baixas calorias, seu impacto no controlo de peso, controlo glicémico e saúde oral, o seu papel na redução de açúcar e nas orientações dietéticas, bem como noutros aspetos nutricionais do seu uso em alimentos e bebidas. Além disso, o papel fundamental de profissionais de saúde bem informados e a necessidade de educação do consumidor baseada na ciência foram destacados. Este artigo da ISA dá um breve enquadramento das principais conclusões alcançadas na reunião do Consenso Ibero-Americano entre este painel de especialistas internacionais.

A segurança dos adoçantes de baixas calorias está bem estabelecida

Os adoçantes de baixas calorias estão entre os aditivos alimentares mais amplamente investigados disponíveis no mercado. A segurança dos adoçantes de baixas calorias tem sido repetidamente avaliada e confirmada pelos órgãos reguladores e científicos de todo o mundo, incluindo Comité Misto FAO/OMS de peritos em matéria de aditivos alimentares (JECFA), a agência norte-americana US Food and Drug Administration (FDA) e a Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA). De facto, a sua segurança é continuamente reavaliada para considerar os dados científicos novos e relevantes sobre a sua segurança e consumo. Este documento do Consenso fornece informações sobre a avaliação de segurança e os processos de aprovação pelos órgãos reguladores a nível internacional e europeu, bem como pelas autoridades reguladoras nacionais dos países da América Latina.

Benefícios dos adoçantes de baixas calorias quando usados no lugar do açúcar

Com base na literatura científica disponível, os peritos concluíram que o uso de adoçantes de baixas calorias para substituir o açúcar em programas de redução de peso pode favorecer a perda de peso sustentável ou a manutenção da perda de peso. Estes programas devem considerar planos de dieta estruturados – possivelmente monitorizados por profissionais de saúde – bem como um estilo de vida ativo e saudável que inclua uma dieta sensata e equilibrada e uma atividade física regular. O consumo ad libitum de adoçantes de baixas calorias, sem a substituição de açúcar, parece não ter efeito benéfico nem prejudicial no peso corporal. Além disso, o uso de adoçantes de baixas calorias em programas de controlo da diabetes pode contribuir para um melhor controlo glicémico. Ao contrário do açúcar, os adoçantes de baixas calorias não afetam a glicemia e, portanto, não causam um aumento nos níveis de glicose no sangue após o consumo. Além disso, os adoçantes de baixas calorias fornecem benefícios para a saúde oral quando usados no lugar de açúcares livres.

Adoçantes de baixas calorias como alternativa ao açúcar nas orientações nutricionais e recomendações nutricionais

Foi proposto que alimentos e bebidas com adoçantes de baixas calorias poderiam ser incluídos nas orientações dietéticas como alternativas aos produtos adoçados com açúcares livres, e que isso poderia encorajar a reformulação de produtos pela indústria alimentar e ajudar na redução do açúcar na base populacional. Por exemplo, recomendações dietéticas de vários países referem-se a alimentos e bebidas que contêm adoçantes de baixas calorias como possíveis alternativas para produtos adoçados com adoçantes calóricos para promover a redução do consumo de açúcar livre com alguns conselhos sobre quantidades de tais bebidas (Bélgica, Espanha, Reino Unido). Alimentos e bebidas que contêm adoçantes de baixas calorias também podem ser recomendados para substituir produtos com adição de açúcar para pacientes com diabetes, dislipidemia, obesidade ou doenças cardiovasculares.

A educação do consumidor deve ser reforçada e cientificamente precisa

Os consumidores são frequentemente confrontados com múltiplas fontes de informação sobre questões alimentares e de saúde, que nem sempre ajudam a facultar informações fiáveis e de alta qualidade. Além disso, o uso crescente das novas tecnologias e redes sociais favorece a rápida disseminação e troca de informações, mas nem todas são rigorosas. A educação do consumidor sobre o uso de adoçantes de baixas calorias, assim como com todos os tópicos relacionados à saúde e nutrição, deve ser objetiva e baseada nas evidências científicas mais robustas. A educação contínua dos profissionais de saúde também é necessária, uma vez que eles são a principal fonte de informação sobre questões relacionadas à alimentação e saúde para a população em geral e para os seus pacientes. Finalmente, é essencial facilitar o acesso à informação de qualidade comprovada, baseada em evidências, transparente e de fácil compreensão pelo público em geral, para apoiar as recomendações necessárias para a utilização de adoçantes de baixas calorias.

  1. Serra-Majem, L.; Raposo, A.; Aranceta-Bartrina, J.; Varela-Moreiras, G.; Logue, C.; Laviada, H.; Socolovsky, S.; Pérez-Rodrigo, C.; Aldrete-Velasco, J.A.; Meneses Sierra, E.; López-García, R.; Ortiz-Andrellucchi, A.; Gómez-Candela, C.; Abreu, R.; Alexanderson, E.; Álvarez-Álvarez, R.J.; Álvarez Falcón, A.L.; Anadón, A.; Bellisle, F.; Beristain-Navarrete, I.A.; Blasco Redondo, R.; Bochicchio, T.; Camolas, J.; Cardini, F.G.; Carocho, M.; Costa, M.C.; Drewnowski, A.; Durán, S.; Faundes, V.; Fernández-Condori, R.; García-Luna, P.P.; Garnica, J.C.; González-Gross, M.; La Vecchia, C.; Leis, R.; López-Sobaler, A.M.; Madero, M.A.; Marcos, A.; Mariscal Ramírez, L.A.; Martyn, D.M.; Mistura, L.; Moreno Rojas, R.; Moreno Villares, J.M.; Niño-Cruz, J.A.; Oliveira, M.B.P.P.; Palacios Gil-Antuñano, N.; Pérez-Castells, L.; Ribas-Barba, L.; Rincón Pedrero, R.; Riobó, P.; Rivera Medina, J.; Tinoco de Faria, C.; Valdés-Ramos, R.; Vasco, E.; Wac, S.N.; Wakida, G.; Wanden-Berghe, C.; Xóchihua Díaz, L.; Zúñiga-Guajardo, S.; Pyrogianni, V.; Cunha Velho de Sousa, S. Ibero–American Consensus on Low- and No-Calorie Sweeteners: Safety, Nutritional Aspects and Benefits in Food and Beverages. Nutrients 201810, 818.
  2. Comunicado de imprensa da Fundação Espanhola de Pesquisa Nutricional (FIN). “Mais de 60 especialistas internacionais publicam no jornal Nutrients o primeiro Consenso Ibero-Americano sobre Adoçantes de Baixa e Sem Calorias.” Disponivel aqui (“Notas de prensa”)