Os adoçantes de baixas calorias podem desempenhar um papel mais importante na redução do açúcar e na reformulação de alimentos

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

Destaques da Cimeira da Redução do Açúcar, Londres, 22 de setembro de 2016

A Cimeira da Redução do Açúcar ocorreu pelo terceiro ano consecutivo em Londres, a 22 de setembro, e contou com a participação de mais de 150 decisores políticos, especialistas em saúde pública, representantes da indústria, cientistas e profissionais de saúde. Reunindo uma combinação única de partes interessadas, esta Cimeira de Redução do Açúcar incluiu uma interessante sessão que teve como objetivo examinar o papel dos adoçantes de baixas calorias na redução do consumo de açúcar.

Com a participação do Prof. Peter Rogers (Universidade de Bristol), da Profª Alison Gallagher (Universidade de Ulster), da Dr.ª Charlotte Hardman (Universidade de Liverpool) e do Dr. Kavita Karnik (Tate & Lyle), o painel abordou uma ampla gama de tópicos, incluindo as últimas pesquisas sobre os benefícios dos adoçantes de baixas calorias no peso corporal, perceções e atitudes dos consumidores, papel na perspectiva da saúde pública, bem como os desafios que a indústria alimentar enfrenta na reformulação dos alimentos e na redução do açúcar.

Os adoçantes de baixas calorias são úteis na manutenção de peso? Uma revisão sistemática dos fundamentos científicos

A abrir a sessão, o Prof. Peter Rogers, Professor de Psicologia Biológica da Universidade de Bristol (Reino Unido) apresentou provas científicas que confirmam o papel dos adoçantes de baixas calorias na manutenção de peso, com base no seu recente trabalho científico que inclui uma revisão sistemática e meta-análise, que explora os efeitos do consumo de adoçante de baixas calorias no consumo de energia e peso corporal. Neste estudo, Rogers et al. , analisou os dados disponíveis de 90 estudos em animais, 12 estudos de coorte prospectivos, 129 comparações em estudos experimentais de curto prazo e 9 estudos clínicos aleatorizados de longo prazo e concluiu nas suas observações finais que “em geral, o equilíbrio de evidências indica claramente que o consumo de adoçantes de baixas calorias em vez de açúcar, em crianças e adultos, leva à redução da ingestão de energia e peso corporal, e possivelmente também quando comparado com a água“.

As crenças sobre os adoçantes de baixas calorias predizem o comportamento e o consumo de alimentos açucarados com baixo teor de calorias

A falta de dados em relação a como as crenças e atitudes dos consumidores face aos produtos adoçados de baixas calorias podem influenciar as subsequentes respostas comportamentais ao consumo desses produtos, foi destacada no tópico seguinte abordado pela Dr.ª Charlotte Hardman , Professora do Departamento de Ciências Psicológicas da Universidade de Liverpool. Na sua palestra, a Dr.ª Hardman apresentou pela primeira vez na Cimeira da Redução do Açúcar os resultados preliminares do estudo SWITCH, um ensaio clínico aleatorizado atualmente em curso, que avalia os efeitos de bebidas açucaradas de baixas calorias em comparação com a água, durante a perda de peso ativa e controle de peso, ao longo de um período de dois anos. Como parte deste estudo, foi examinado o papel das crenças e atitudes sobre adoçante de baixas calorias na determinação de padrões de consumo e comportamentos. Com base nos resultados preliminares do estudo, os consumidores frequentes de bebidas açucaradas com baixo teor de calorias acreditam que estes são palatáveis e eficazes no controle do apetite e do peso corporal. Além disso, como provavelmente esperado, as crenças positivas sobre os adoçante de baixas calorias anteciparam a quantidade de bebidas dietéticas consumidas em laboratório mas, curiosamente, os participantes com crenças mais positivas sobre as bebidas açucaradas de baixas calorias consumiram menos calorias de bebidas em geral, do que os participantes com crenças neutras/negativas.

Os adoçantes de baixas calorias e a perspectiva da saúde pública

No início da sua palestra, a Profª Alison Gallagher, Professora de nutrição para a saúde pública na Universidade do Ulster, examinou o papel dos adoçantes de baixas calorias numa perspectiva da saúde pública. Sendo a obesidade um dos desafios de saúde pública mais proeminentes e a necessidade emergente de limitar a ingestão global de açúcares, os adoçantes de baixas calorias podem desempenhar um papel mais relevante e facilitar a adesão sustentável às recomendações recentes sobre reduções de açúcar. A Profª Gallagher também destacou que a segurança dos adoçantes de baixas calorias foi confirmada por órgãos reguladores em todo o mundo, incluindo a Organização Conjunta de Alimentos e Agricultura (FAO); o Comité de Peritos sobre Aditivos Alimentares da Organização Mundial de Saúde (OMS) (JECFA); e a Autoridade Europeia para a Segurança Alimentar (EFSA). No que diz respeito à saúde pública, o desafio dentro da nossa dieta não é a segurança dos adoçantes de baixas calorias ou a ingestão real que está bem abaixo da dose diária recomendável (DDR), mas é mais provável que sejam os potenciais impactos de consumir muita energia e/ou um padrão dietético não saudável. Ao encerrar a sua apresentação, a Prof.ª Gallagher apresentou dados preliminares de um estudo atualmente em curso, que analisa o papel da consciencialização em relação às percepções sobre os adoçantes de baixas calorias, mostrando que quanto maior a consciência, maior a percentagem de consumidores que reconhecem a utilidade dos adoçantes de baixas calorias.

Desafios técnicos e regulamentares na redução do açúcar: a perspetiva da indústria

Ao ser a última palestrante nesta sessão, a Dr. Kavita Karnik lembrou ao público porque a redução de calorias é necessária e apresentou dados interessantes de estudos ao consumidor, que mostram que o açúcar ocupa o primeiro lugar na lista do que os consumidores europeus estão a tentar diminuir na sua dieta, com 41% a afirmar que tenta reduzir a ingestão de açúcar. Nas suas observações finais, a Dr. Karnik concluiu que a redução do açúcar é mais complicada do que “apenas retirar o açúcar”. Há uma série de desafios técnicos, enquanto ao mesmo tempo o atual quadro regulamentar limita as oportunidades para a redução das quotas de açúcar. No entanto, a boa notícia é que as inovações da indústria alimentar e de bebidas proporcionaram um número extenso de alternativas úteis nos últimos anos, com uma gama de adoçantes sem ou de baixas calorias, usados isoladamente ou em misturas com outros edulcorantes, de modo a serem uma ferramenta útil nos esforços para a reformulação dos produtos alimentares.

Um debate do painel de peritos sobre o papel dos adoçantes sem ou de baixas calorias na redução do açúcar seguiu-se às palestras dos especialistas e também incluiu, para além dos oradores anteriormente referidos, Jean Savigny (Keller e Heckman LLP). A principal mensagem deste painel de discussão foi que todas as partes interessadas, incluindo os decisores políticos, a indústria e os cientistas, precisam de trabalhar mais estreitamente para acelerar o ritmo da redução do açúcar e atingir o objetivo comum de melhorar e contribuir para resultados positivos em matéria de saúde pública. Além disso, a necessidade de educar os profissionais de saúde para que, por sua vez, eles possam educar os consumidores foi também um aspeto destacado no painel enquanto estratégia importante para aumentar a sensibilização dos consumidores para a segurança e os benefícios dos adoçantes sem ou de baixas calorias.

Utilizados em substituição dos açúcares em alimentos e bebidas, os adoçantes sem ou de baixas calorias proporcionam ao consumidor uma maior escolha de produtos com menor teor de calorias, doces e saborosos, ajudando as pessoas a atender a recomendação de saúde pública sobre a limitação da ingestão de açúcar na dieta diária.