Cinco razões pelas quais os adoçantes de baixas calorias podem ser uma ferramenta útil na diabetes

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

Com base na mais recente evidência científica

os adoçantes de baixas calorias são altamente valorizados e utilizados por pessoas com diabetes, e existem pelo menos cinco boas razões para fazê-lo. As recomendações dietéticas para o tratamento da diabetes incluem a monitorização da ingestão de hidratos de carbono e outros conselhos para optar pela ingestão de hidratos de carbono provenientes de vegetais, frutas, grãos integrais, leguminosas e produtos lácteos em vez da ingestão de outras fontes, especialmente aquelas que contêm adição de gorduras, açúcares e sal1. Neste sentido, a substituição de alguns produtos açucarados ou adocicados por opções de adoçantes de baixas calorias, pode ser uma estratégia útil para ir ao encontro das recomendações referidas acima para limitar a ingestão de açúcar.

Cinco razões para optar por adoçantes de baixas calorias em vez de açúcares

Há pelo menos cinco boas razões para incluí-los na sua dieta, incluindo os adoçantes de baixas calorias:

  1. Ajudar a reduzir o consumo de açúcar
  2. Não afetam os níveis de glicose no sangue
  3. Têm poucas ou nenhumas calorias, podendo ajudar a reduzir o seu consumo
  4. Proporcionam opções adicionais de sabor doce com menos hidratos de carbono e calorias

A fundamentação científica que sustenta o papel dos adoçantes de baixas calorias na diabetes

Os adoçantes de baixas calorias, também conhecidos como edulcorantes intensos, são ingredientes saborosos quepraticamente não têm calorias, e são utilizados em quantidades muito pequenas para substituir o açúcar em alimentos e bebidas. Mesmo a partir desta descrição simples, é fácil identificar os benefícios dos adoçantes de baixas calorias para as pessoas com diabetes: podemajudar a manter o desejado sabor doce, reduzindo simultaneamente o consumo de açúcar, e proporcionar opções mais palatáveis com menos calorias.

Contudo, o seu benefício mais importante é o facto de não afetarem os níveis de glicose no sangue tanto em indivíduos saudáveis, com peso normal ou com obesidade, como em pessoas com diabetes. Numa recente revisão sistemática por Romo Romo et al2 que resume os ensaios clínicos aleatorizados disponíveis na literatura, 26 de 28 destes ensaios mostraram que os diferentes adoçantes de baixas calorias não afetam os índices glicémicos, como a glicemia, secreção de insulina e hemoglobina glicada (Hb1Ac), enquanto que os dois estudos que apresentaram potencial impacto incluíram uma amostra muito pequena, 7 e 11 pessoas respetivamente, sem incluir um grupo de controlo, o que constitui uma séria limitação, não permitindo tirar conclusões3,4.

Esta revisão confirma as conclusões do Painel dos Produtos Dietéticos, Nutrição e Alergias da EFSA em 2011 que “ O consumo de alimentos com adoçantes de baixas calorias em vez de açúcar induz um aumento menor da glicemia após o seu consumo, em comparação com alimentos que contêm açúcar5, uma alegação nutricional e de saúde autorizada pela Comissão Europeia em 2012 (Regulamento da Comissão (UE) n.º 432/2012)6.

Em resumo, a investigação confirma que os adoçantes de baixas calorias em substituição dos açúcares, têm de facto benefício no controlo glicémico e, especificamente, na glicose pós prandial7. No entanto, é importante salientar que os alimentos que contêm adoçantes de baixas calorias podem afetar a glicemia devido a outros ingredientes incluídos no produto, como os hidratos de carbono8. As pessoas com diabetes devem verificar os rótulos dos alimentos para rever a lista completa de ingredientes de todos os produtos.

Outro benefício importante para as pessoas com diabetes, é o papel dos adoçantes de baixas calorias na redução da ingestão de energia e no controlo de peso. O resultado da evidência científica, conforme analisado em duas revisões e meta-análises sistemáticas recentes, indica quea utilização de adoçantes de baixas calorias em substituição do açúcar, em crianças e adultos, leva à redução da ingestão calórica e do peso corporal9,10.

Em conclusão, com base na ciência mais recente, a utilização de adoçantes de baixas calorias em substituição de açúcares presentes em bebidas e outros alimentos, pode ajudar as pessoas com diabetes no controlo da glicose e num melhor controlo de peso, conforme reconhecido também nas declarações de tomada de posição da American Heart Association e American Diabetes Association12.

Para informações adicionais sobre o papel que os adoçantes de baixas calorias desempenham no tratamento da diabetes pode descarregar o documento informativo da ISA ‘Conversa Doce sobre diabetes’acedendo aqui .

Também pode ver o video animado da ISA para o Dia Mundial da Diabetes 2016acedendo aqui e descobrir porque ‘É fácil começar com um passo simples’. Pode também ler mais sobre a campanha da ISA de apoio ao Dia Mundial da Diabetes 2016 e descarregar os respetivos materiais here.

  1. Evert AB, et al. Nutrition therapy recommendations for the management of adults with diabetes. Diabetes Care, 2013; 36: 3821-3842
  2. Romo-Romo A, Aguilar-Salinas CA, Brito-Cordova GX, et al. Effects of the non-nutritive sweeteners on glucose metabolism and appetite regulating hormones: Systematic review of observational prospective studies and clinical trials. Plos One 2016; 11(8): e0161264
  3. Pepino MY, et al. Sucralose affects glycaemic and hormonal responses to an oral glucose load. Diabetes Care 2013; 36: 2530-2535
  4. Suez J, Korem T, Zeevi D, Zilberman-Schapira G, Thaiss CA, Maza O, et al. Artificial sweeteners induce glucose intolerance by altering the gut microbiota. Nature. 2014; 514(7521):181-6.
  5. EFSA NDA (EFSA Panel on Dietetic Products Nutrition and Allergies). Scientific opinion on the substantiation of health claims related to intense sweeteners and contribution to the maintenance or achievement of a normal body weight (ID 1136, 1444, 4299), reduction of post-prandial glycaemic responses (ID 4298), maintenance of normal blood glucose concentrations (ID 1221, 4298), and maintenance of tooth mineralisation by decreasing tooth demineralisation (ID 1134, 1167, 1283) pursuant to Article 13(1) of Regulation (EC) No 1924/2006. EFSA 2011 Journal 9: 2229
  6. Commission Regulation (EU) No 432/2012 of 16 May 2012 establishing a list of permitted health claims made on foods, other than those referring to the reduction of disease risk and to children’s development and health
  7. Russell W, et al. Impact of Diet Composition on Blood Glucose Regulation. Critical Reviews in Food Science and Nutrition, 2013; 56:4: 541-590
  8. Franz MJ, Powers MA, Leontos C, et al. The evidence for medical nutrition therapy for type 1 and type 2 diabetes in adults. J Am Diet Assoc 2010;110:1852-1889
  9. Miller P., Perez V. Low-calorie sweeteners and body weight and composition: a meta-analysis of randomized controlled trials and prospective cohorts (391.1). FASEB J 2014; 28: 391