O destino biológico dos adoçantes de baixas calorias

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Autor(es): Magnuson BA, Carakostas MC, Moore NH, Poulos SP, Renwick AG
Nome da Publicação : Nutrition Reviews 2016 Nov; 74(11): 670-689
Ano de publicação : 2016

Sumário

Esta revisão fornece informações detalhadas sobre a absorção, distribuição, metabolismo e excreção dos cinco adoçantes de baixas calorias comummente utilizados: Ace-K, aspartame, sacarina, sucralose e glicosídeos de esteviol, bem como uma visão geral da literatura científica mostrando que não existem evidências dos efeitos dos adoçantes de baixas calorias na flora intestinal (microbioma). É importante que os nutricionistas e outros profissionais da saúde, estejam familiarizados com o destino biológico dos adoçantes de baixas calorias para que possam ser fontes autorizadas de informações cientificamente sólidas para os seus doentes e para o público.

Os diferentes compostos têm uma estrutura, metabolismo e destino biológico muito diverso, após o consumo de alimentos e bebidas de baixas calorias. É extremamente importante compreender esta questão, uma vez que existem muitos exemplos na literatura científica em que os efeitos biológicos ou dietéticos observados em estudos com um adoçante de baixas calorias são incorretamente extrapolados para todos os adoçantes de baixas calorias sem a confirmação de evidências científicas.

O adoçante de baixas calorias pode ser dividido em dois grupos principais com base no seu metabolismo. A sacarina, Ace-K e sucralose pertencem ao primeiro grupo, que consiste em adoçantes de baixas calorias que não sofrem quase nenhum metabolismo, quer após uma absorção mínima (sucralose) ou uma absorção extensa (Ace-K e sacarina). O aspartame e os glicosídeos de esteviol fazem parte do segundo grupo de compostos, que primeiro são digeridos / metabolizados no trato intestinal antes da absorção, após a qual apenas os seus produtos digeridos são absorvidos sistematicamente e metabolizados. Em todos os casos, a eliminação é rápida, sem bioacumulação de adoçantes de baixas calorias ou dos seus metabolitos no corpo.

As misturas de adoçantes intensos estão a tornar-se mais populares nas formulações de alimentos e bebidas porque fornecem uma melhoria sinérgica da intensidade da doçura e uma melhoria da qualidade da doçura além daqueles oferecidos pelos adoçantes individuais. Além disso, a utilização de misturas de adoçantes resulta em quantidades mais baixas de cada adoçante de baixas calorias individual utilizado, diminuindo ainda mais a exposição a cada composto. De forma consistente, não foi encontrada nenhuma evidência de que as misturas representem uma preocupação para a segurança.

Ver o documento completo