Estimativas do nível de consumo de adoçantes sem ou de baixas calorias na Argentina, Chile e Peru

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Autor(es): Barraj L, Bi X, Tran N
Nome da Publicação : Food Additives & Contaminants: Part A DOI: 10.1080/19440049.2021.1956692
Ano de publicação : 2021

Abstracto

Com o aumento das taxas de obesidade, vários países da América Latina implementaram estratégias para refrear o consumo de açúcares, o que resultou em reformulações de produtos com adoçantes sem ou de baixas calorias (LNCS). A maior disponibilidade de produtos contendo LNCS suscita preocupações quanto ao risco potencial de exceder a Dose Diária Admissível (DDA). A informação sobre a ingestão de LNCS entre os países da América Latina é limitada pela falta de dados de consumo nacional disponíveis ao público. Ao utilizar o Método de Orçamento, foram obtidas estimativas do nível de consumo de seis LNCS (acessulfame de potássio, aspartame, ciclamato, sacarina, glicosídeos de esteviol, e sucralose) para a Argentina, Chile, e Peru com base em dados de vendas nacionais e dos rótulos de produtos. Foram realizados quatro níveis de avaliação na qual a hipótese de utilização de LNCS variou desde o mais conservador Nível 1 até ao mais apurado, mas ainda assim com uma utilização conservadora de LNCS e concentrações em níveis subsequentes. Os consumos estimados, aplicáveis tanto à população total como às crianças, foram inferiores às suas DDA para todos os níveis. Para o Nível 2, em que as concentrações médias de LNCS foram consideradas presentes em todos os produtos contendo LNCS, os consumos foram <60% da DDA. As estimativas para os níveis mais refinados eram comparáveis às estimativas publicadas com base em subpopulações selecionadas nestes países, validando a abordagem utilizada neste estudo.

Sumário

À luz das recomendações de saúde pública para reduzir a ingestão global de açúcar na alimentação em resposta ao aumento das taxas de obesidade, os adoçantes sem ou de baixas calorias (LNCS) constituem uma alternativa ao açúcar para permitir a degustação de alimentos e bebidas doces com poucas ou nenhumas calorias. Esta substituição levou a perguntas sobre um potencial aumento do consumo de LNCS e o potencial impacto sobre a Dose Diária Admissível (DDA).

Este novo estudo avalia a ingestão de seis adoçantes sem ou de baixas calorias (acessulfame de potássio, aspartame, ciclamato, sacarina, glicosídeos esteviol, e sucralose) na Argentina, Chile e Peru. Utilizando o Método de Orçamento, e com base em dados de vendas nacionais e dos rótulos de produtos, os autores estimaram o consumo dos edulcorantes analisados e compararam-no com as DDAs estabelecidas pelo Comité Misto FAO/OMS de Peritos em matéria de Aditivos Alimentares (JECFA).

Os autores constataram que a ingestão estimada de edulcorantes em questão pela população total dos países analisados, incluindo por crianças, estava muito abaixo das DDAs definidas pelo JECFA. Isto aplica-se a todos os cenários identificados, incluindo os mais conservadores.

Aceder ao artigo completo