Adoçantes de baixas calorias e saúde metabólica: uma análise crítica da literatura

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

Notícias científicas do 37.º Simpósio Internacional de Diabetes e Nutrição

 

Destaques:

  • Evidências de maior qualidade demonstram que a substituição pretendida de calorias provenientes do açúcar por adoçantes de baixas calorias pode ajudar a melhorar o controlo do peso corporal e os fatores de risco cardiometabólico associados.
  • Os estudos atuais não estabelecem evidência clara do efeito adverso dos adoçantes de baixas calorias na microbiota intestinal em doses relevantes para o uso humano. Os relatórios dos efeitos relacionados derivam principalmente de estudos em animais em que as doses testadas estão além do consumo possível esperado nos seres humanos.
  • O gosto pela doçura é parte da nossa natureza humana. Os indivíduos devem ter opções como alimentos ou bebidas com baixas calorias para os ajudar a reduzir a ingestão de açúcares. li>

37.º Simpósio Internacional de Diabetes e Nutrição – DNSG 2019, que é a reunião anual do Grupo de Estudos sobre Diabete e Nutrição (DNSG) da Associação Europeia para o Estudo da Diabetes (EASD), teve lugar em Kerkrade, Holanda, de 12 a 15 de junho. O Simpósio proporcionou três dias de discussões estimulantes entre os principais cientistas nas áreas da diabetes e nutrição e os adoçantes de baixas calorias não poderiam faltar na agenda. As organizações de saúde recomendam globalmente uma redução na ingestão de açúcares para todos os grupos populacionais, o que recentemente levou a um aumento do interesse científico no papel dos adoçantes de baixas calorias, e dos produtos que os contêm, na saúde metabólica.

Revisão da totalidade das evidências dos estudos em humanos

Na sua palestra sobre adoçantes de baixas calorias e saúde metabólica, o Dr. John Sievenpiper, Professor Associado da Universidade de Toronto, no Canadá, proporcionou uma análise crítica da investigação em humanos disponível sobre este tópico, revendo os resultados tanto de ensaios clínicos controlados quanto de estudos observacionais. Ao avaliar o impacto dos adoçantes de baixas calorias nos resultados da saúde metabólica, as conclusões dos ensaios clínicos aleatórios (ECR) são amplamente consistentes ao mostrar que o uso de adoçantes de baixas calorias como um substituto para os açúcares, particularmente em bebidas açucaradas, poderia ser uma estratégia útil para reduzir o risco cardiometabólico, especialmente entre os grandes consumidores (Malik V, 2019). Espera-se que os efeitos pretendidos dos adoçantes de baixas calorias sejam diferentes dependendo do conteúdo energético do comparador e, portanto, os benefícios são mostrados em estudos onde os adoçantes de baixas calorias são usados para substituir as calorias dos açúcares, mas não quando não há substituição calórica, por exemplo em comparação com a água ou placebo (Sievenpiper et al, 2017).

Em contraste com os ensaios clínicos, os estudos observacionais mostram resultados heterogéneos e inconsistentes, consideravelmente influenciados por questões metodológicas, o que pode levar a associações com alto risco de causalidade inversa. O uso de medidas repetidas para avaliar mudanças nas análises de ingestão e substituição que modelam a estratégia de reposição pretendida para bebidas de baixo teor calórico (como por exemplo, a substituição de bebidas com baixo teor calórico por bebidas açucaradas) pode superar um pouco essas limitações metodológicas e fornecer resultados mais consistentes e robustos, e associações biologicamente plausíveis (Khan et al, 2019).

Novos estudos: Benefícios com a substituição pretendida das calorias do açúcar por adoçantes de baixas calorias

Uma nova revisão sistemática e meta-análise de oito ensaios clínicos aleatórios (ECR), que foi realizada pelo departamento de Ciências Nutricionais da Faculdade de Medicina da Universidade de Toronto e foi apresentada no 37º Simpósio Internacional sobre Diabetes e Nutrição descobriu que a substituição das calorias de bebidas açucaradas (SSBs) por bebidas com adoçantes de baixas calorias leva a uma melhoria nos fatores de risco cardiometabólicos. A análise mostrou melhorias no peso corporal, fígado gordo e pressão arterial diastólica com substituição de SSBs por bebidas de baixas calorias e impacto neutro noutros marcadores de risco cardiometabólico, como lipídios sanguíneos e resposta glicémica (McGlynn et al, dados não publicados apresentados no DNSG 2019). Esta conclusão soma-se aos resultados de um estudo publicado recentemente por Malik et al., que concluiu que a substituição de 1 porção de SSB por 1 porção de bebida com adoçantes de baixas calorias, diariamente, estava associada a um risco 5% menor de mortalidade por doença cardiovascular (DCV) e um risco 4% menor de mortalidade total (Malik et al, 2019). Quando comparado à água, não há efeito diferente do consumo de bebidas de baixas calorias no peso corporal e controlo glicémico, de acordo com outra revisão sistemática e metanálise de rede que foi apresentada como uma curta apresentação oral na conferência (McGlynn et al, dados não publicados apresentados no DNSG 2019).

Adoçantes de baixas calorias e microbiota intestinal: sem evidências de efeitos em humanos

Nos últimos anos, o papel do microbioma intestinal na saúde humana tem despertado grande interesse na investigação. No entanto, quando se trata de efeitos relatados dos adoçantes de baixas calorias no intestino, estes provêm principalmente de estudos em animais, onde as doses testadas estão além do consumo possível esperado dos seres humanos. Na sua palestra no 37º Simpósio Internacional sobre Diabetes e Nutrição, o Dr. Jotham Suez, investigador de pós-doutoramento no Weizmann Institute of Science em Israel, apresentou estudos em animais publicados em 2014 que apoiavam que os adoçantes de baixas calorias induzem a intolerância à glicose alterando a microbiota intestinal (Suez et al, 2014). Os seus resultados foram criticados em vários outros trabalhos, comentando que não é possível saber se as diferenças observadas entre os grupos nas medidas da microbiota intestinal nesses estudos em ratos refletem mudanças na alimentação e / ou ingestão de nutrientes e / ou ingestão de líquidos ou alterações relacionadas à presença de sacarina, que foi de qualquer forma entregue numa dose que estava muito acima do consumo esperado em humanos (Magnuson et al, 2016; Lobach et al, 2019). É importante ressaltar que os especialistas enfatizam que existem grandes diferenças entre o perfil do microbioma intestinal em animais de laboratório e as pessoas, portanto, a tradução dos dados de estudos em animais que testam os efeitos de doses extremamente altas de adoçantes de baixas calorias é deveras suspeita.

Ao apresentar o seu trabalho de investigação em humanos, uma pequena experiência clínica em 7 adultos saudáveis que consumiram 5 mg / kg / dia de sacarina durante 1 semana, uma dose equivalente à Dose Diária Admissível (DDA), o Dr. Suez afirmou que há uma alta inter individualidade entre os seres humanos em relação à sua resposta glicémica aos adoçantes (4 “resposta” e 3 “não resposta”) e que as diferenças no microbioma preveem essa inter-individualidade. No entanto, este pequeno estudo teve numerosas e importantes limitações, incluindo a falta de um grupo controlado e controlo da alimentação habitual, que pode ser um fator determinante por trás das mudanças microbióticas relatadas no intestino, que também é apoiado pelo facto da composição da microbiota intestinal dos grupos de “resposta” e de “não resposta” já era diferente antes do consumo da sacarina. Estas falhas no desenho colocam em causa o significado biológico destas descobertas relatadas.

No geral, os estudos atuais não estabelecem evidências claras de qualquer efeito adverso dos adoçantes de baixas calorias na microbiota intestinal em doses relevantes para o uso humano . Uma revisão recente concluiu que os resultados dos estudos de metabolismo e segurança não mostram evidências de um mecanismo provável para um efeito clinicamente relevante dos adoçantes de baixas calorias na microbiota intestinal e que as mudanças dietéticas normais, que não têm relação com os adoçantes de baixas calorias, são provavelmente a principal razão para mudanças no perfil da microbiota intestinal (Lobach et al, 2019).

Orientações possíveis para o futuro

Na ciência nutricional, as recomendações devem basear-se na totalidade das evidências atuais e levar em consideração o seu impacto na qualidade geral da alimentação. Quando se trata de redução de açúcar, o balanço das evidências atuais mostra que quando os adoçantes de baixas calorias são usados para substituir as calorias do açúcar, eles podem ser uma estratégia útil e trazer benefícios à saúde atribuídos à substituição do açúcar. Como o gosto pela doçura é parte da natureza humana, é importante dar às pessoas ferramentas úteis que possam ajudá-las a reduzir a sua ingestão geral de açúcares, e os adoçantes de baixas calorias podem oferecer opções de menor teor/sem açúcar. Finalmente, o painel de oradores concordou que, para lidar com as incertezas, há a necessidade de mais estudos clínicos de alta qualidade e análises de estudos prospetivos de coorte que giram melhor a causalidade inversa.

  1. Khan TA, Malik VS, Sievenpiper JL. Letter by Khan et al Regarding Article, “Artificially Sweetened Beverages and Stroke, Coronary Heart Disease, and All-Cause Mortality in the Women’s Health Initiative”. Stroke 2019; 50(6): e167-e168
  2. Lobach A, Roberts A, Rowland I. Assessing the in vivo data on low/no-calorie sweeteners and the gut microbiota. Food and Chemical Toxicology 2019; 124: 385-399
  3. Magnuson BA, Carakostas MC, Moore NH, Poulos SP, Renwick AG. Biological fate of low-calorie sweeteners. Nutr. Rev. 2016; 74: 670–689
  4. Malik VS. Non-sugar sweeteners and health. BMJ 2019; 364: k5005. doi: 10.1136/bmj.k5005
  5. Malik VS, Li Y, Pan A, De Koning L, Schernhammer E, Willett WC, et al. Long-term consumption of sugar-sweetened and artificially sweetened beverages and risk of mortality in US adults. Circulation. 2019; 139(18): 2113–2125. doi: 10.1161/CIRCULATIONAHA.118.037401
  6. McGlynn N, Khan TA, Sievenpiper JL. Systematic review and network meta-analysis of non-caloric sweetened beverages versus water and glycemic control. Abstract – Short oral presentation. 37th International Symposium on Diabetes and Nutrition – DNSG 2019
  7. Sievenpiper JL, Khan TA, Ha V, Viguiliouk E, Auyeung R. The importance of study design in the assessment of nonnutritive sweeteners and cardiometabolic health. CMAJ. 2017; 189: E1424–E1425. doi: 10.1503/cmaj.733381
  8. Suez J, Korem T, Zeevi D, et al. Artificial sweeteners induce glucose intolerance by altering the gut microbiota. Nature 2014; 514 (7521):181–186.