A sucralose é segura como confirmado por uma vasta pesquisa e pelas autoridades de segurança alimentar de todo o mundo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

Declaração ISA em resposta ao estudo de Bornemann et al.

Respondendo às alegações feitas por Bornemann et al. ,num estudo publicado recentemente1, que analisou o metabolismo da dosagem repetida de sucralose no intestino de ratos e a sua potencial acumulação no seu tecido gordo, a Associação Internacional de Adoçantes (ISA) gostaria de apontar a falta de provas para apoiar qualquer preocupação de segurança com a sucralose.Pelo contrário os pareceres científicos das autoridades de segurança alimentar em todo o mundo, em linha com a riqueza de pesquisas disponíveis, confirmam consistentemente que a sucralose é segura.

Todos os adoçantes de baixas calorias, incluindo a sucralose, passam por uma avaliação completa de segurança pelas autoridades reguladoras competentes em todo o mundo antes de serem aprovados. Além da avaliação e confirmação da segurança da sucralose pelo Comité de Especialistas em Aditivos Alimentares da FAO / OMS (JECFA), num parecer científico publicado em 2017 a Autoridade Europeia de Segurança Alimentar (EFSA) confirmou que a sucralose é segura nos níveis atuais de uso2. A sucralose foi avaliada e permitida para uso por muitos órgãos reguladores, incluindo a FDA (EUA), a Health Canada, o Ministério da Saúde e Bem-Estar do Japão e pelos Padrões Alimentares da Austrália e Nova Zelândia. O consenso científico e regulatório global é de que a sucralose é segura.

Em contraste, a experiência atual com ratos, de Bornemann et al., que estudou o metabolismo da sucralose numa pequena amostra de 10 ratos, não leva a uma mudança no perfil de segurança da sucralose, uma vez que estudos ao longo da vida na mesma espécie, não mostrou efeitos em doses extremamente altas. Este estudo de Bornemann et al. não fornece evidências de que a sucralose cause qualquer preocupação de segurança.

Na verdade, os resultados do estudo também estão em contraste com uma grande quantidade de estudos detalhados sobre metabolismo, realizados em várias espécies animais e em seres humanos que demonstraram muito pouca absorção de sucralose do trato gastrointestinal. Não há evidências de metabolismo pelo microbioma intestinal, com base neste estudo recente ou em pesquisas anteriores. Não foram encontrados metabólitos da sucralose nas fezes e a sucralose mais ingerida é excretada inalterada nas fezes.3,4 Além disso, estudos utilizando sacaralose radiomarcada tanto em humanos como em animais mostraram que a sucralose absorvida sofre o mínimo metabolismo e todo o radiomarcador é excretado relativamente rapidamente do corpo, suportando uma falta de potencial bioacumulativo.

Usados em alimentos, bebidas e adoçantes de mesa, os adoçantes de baixas calorias, como a sucralose, podem oferecer às pessoas uma ampla variedade de opções de sabor adocicado com poucas ou nenhumas calorias, portanto, podem ser uma ferramenta útil quando usados em vez do açúcar e como parte de uma dieta equilibrada, ajudando a reduzir o consumo geral de açúcar e calorias, bem como a gerir os níveis de glicose no sangue. Os adoçantes de baixas calorias também não são cariogénicos, o que significa que não contribuem para a cárie dentária.

  1. Bornemann et al.. Intestinal Metabolism and Bioaccumulation of Sucralose In Adipose Tissue In The Rat. Journal of Toxicology and Environmental Health, Part A. https://doi.org/10.1080/15287394.2018.1502560
  2. EFSA scientific opinion on sucralose. Available online: http://www.efsa.europa.eu/en/efsajournal/pub/4784
  3. Magnuson BA, Caracostas MC, Moore NH, Poulos SP, and Renwick AG. Biological fate of low calorie sweeteners. Nutrition Reviews 2016; 74 (11): 670-689
  4. Magnuson BA, Roberts A, Nestmann ER. Critical Review of the Current Literature on the Safety of Sucralose. Food and Chemical Toxicology, 2017 Aug;106(Pt A):324-355. doi: 10.1016/j.fct.2017.05.047. Epub 2017 May 27