Novo ensaio clínico sobre os efeitos das bebidas adoçantes de baixas calorias no peso corporal

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

Sendo um “perdedor” bem sucedido, quando se trata de perda e manutenção de peso, a tarefa não é exatamente fácil. Perder peso já é difícil, mas manter o peso perdido é o maior desafio. Uma série de estudos epidemiológicos e clínicos1,2,3 identificaram certas estratégias e ferramentas que podem ser úteis na manutenção da perda de peso, incluindo o uso de adoçantes de baixas calorias como parte de uma dieta saudável e um estilo de vida ativo.

Um novo estudo clínico aleatorizado, publicado no jornal “Obesity”, e analisado por pares, traz boas notícias para pessoas em dieta que durante o seu programa de manutenção de peso querem saborear o doce, mas não as calorias, pois fornece fortes evidências de que as bebidas com adoçantes de baixas calorias podem ajudar a manter o peso corporal com sucesso no longo prazo.

Melhores resultados alcançados com bebidas açucaradas de baixas calorias num programa de manutenção de peso

O estudo avaliou os efeitos da água em relação às bebidas com adoçantes de baixas calorias(bebidas ABC) no peso corporal, numa amostra de 303 adultos com excesso de peso e obesidade, durante um programa comportamental de um ano, de perda e manutenção de peso. Os participantes foram distribuídos aleatoriamente a um dos dois grupos: aqueles que foram autorizados a consumir bebidas ABC (710ml/0,71 litros diariamente) e aqueles que estavam no grupo de controle a consumir apenas água. Os resultados do estudo de um ano, concluído por 222 sujeitos (sem diferença entre os grupos), mostraram que o grupo ABC registou:

  • Uma manutenção da perda de peso superior: os participantes que bebiam bebidas ABC apresentaram melhores resultados após 52 semanas (6,21 ± 7,65 kg), em comparação com o grupo que apenas consumiu água (2,45 ± 5,59 kg; P & lt; 0,001). No grupo de bebidas ABC, cerca de mais 19% dos participantes perderam pelo menos 5% de seu peso corporal, desde o início do programa até ao final do primeiro ano, em comparação com o grupo que consumiu água (44,2% e 25,5%, respetivamente).
  • Maior redução do perímetro abdominal:O perímetro abdominal diminuiu significativamente mais no grupo que consumiu bebidas ABC comparado com o grupo que consumiu água (em média -8,67cm vs -4,17cm; P<0.001).
  • Menos fome: Os participantes no grupo da água relataram sentir significativamente mais fome no primeiro ano em comparação com o início do estudo, enquanto o grupo de bebidas ABC não relatou aumento na fome subjetiva.

Esta nova publicação de Peters et al baseia-se nos resultados da primeira fase do estudo, que descobriu que os indivíduos que consumiram bebidas dietéticas perderam 45% mais peso do que os do grupo que consumiu água (em média, 5,95 kg vs. 4,09 kg, P & lt ; 0.001) durante um programa de perda de peso de 12 semanas5.

Estudos adicionais em humanos confirmam os benefícios a longo prazo de consumir adoçantes de baixas calorias

Um conjunto considerável de evidências científicas de estudos em humanos6,7,8,9, principalmente RCTs, que constituem o padrão de excelência na investigação nutricional, concordam que os adoçantes de baixas calorias, como o aspartame e a sucralose, podem ajudar nareduzindo a ingestão de energia e o peso corporal, tanto a curto como a longo prazo, quando consumido como parte de um plano dietético saudável de perda de peso. Por exemplo, um estudo prospectivo aleatorizado de dois anos6 concluiu que o consumo de alimentos e bebidas com adoçantes de baixas calorias durante um programa de perda de peso, ajudou as pessoas com obesidade a perder mais peso e a mantê-lo de forma mais eficaz, por um período de 2 anos, em comparação com os não utilizadores. Do mesmo modo, outro estudo clínico aleatorizado com 318 participantes mostrou que pessoas obesas que utilizavam adoçantes de baixas calorias durante a sua dieta para perda de peso, obtiveram melhores resultados ao longo de um período de 6 meses. Mais recentemente, uma meta-análise8 de ensaios controlados aleatorizados também confirmaram que “o uso de edulcorantes de baixas calorias em substituição de açúcares, leva à redução da ingestão de energia e do peso corporal, tanto em crianças como em adultos”.

Principais estratégias para a manutenção de peso a longo prazo

Foram identificados em indivíduos que conseguiram manter o peso perdido uma série de comportamentos comuns, entre os quais as seguintes cinco principais estratégias geralmente adotadas para a manutenção de peso bem sucedida, com base nos resultados do National Weight Control Registry3,9,10, o maior estudo prospectivo de manutenção de perda de peso de longo prazo.

  • Tomar diariamente um pequeno almoço saudável.
  • Monitorizar o peso corporal uma vez por semana.
  • Ser todos os dias mais ativo! Praticar exercício físico regularmente e evitar as atividades sedentárias.
  • Coma refeições regulares saudáveis e lanches quatro a cinco vezes por dia. Durante o dia procure fazer as refeições em horários planeados .
  • Opte por alimentos e bebidas com adoçantes de baixas calorias.

Ao fornecer o sabor doce sem calorias, as opções de baixas calorias podem contribuir de forma útil para uma dieta saudável e para um controlo de calorias, ajudando na dieta para a perda de peso e contribuindo para a manutenção de peso a longo prazo. Na ficha informativa da ISA, poderá encontrar sugestões úteis para efetuar trocas inteligentes, que podem ajudar a substituir um alimento e bebida típicos, por uma opção com menos caloriasclicking here.

Leia mais conselhos e sugestões úteis para um controle de peso bem sucedido na British Dietetic Association Food Fact Sheethere.

Pode aceder à publicação original de Peters et al here. O estudo foi financiado pela American Beverage Association.

  1. Soleymani T., Daniel S. and Garvey, W. T. Obes Rev 2016, 17: 81-93
  2. Dombrowski SU et al, BMJ 2014; 348: g2646
  3. Wing RR and Phelan S. Am J Clin Nutr 2005, 82 (1Suppl): 222S-225S
  4. Peters JC et al, Obesity (Silver Spring). 2015 Dec 26. doi: 10.1002/oby.21327.
  5. Peters JC et al, Obesity (Silver Spring) 2014; 22: 1415-1421
  6. Blackburn GL et al, Am J Clin Nutr 1997; 65: 409-418.
  7. Tate DF et al, Am J Clin Nutr 2012;95:555-563.
  8. Rogers PJ et al, Int J Obes (Lond). 2015 Sep 14. doi: 10.1038/ijo.2015.177
  9. Catenacci VA et al, Obesity (Silver Spring) 2014; 22:2244-2251.
  10. Thomas JG et al, Am J Prev Med 2014; 46, 1, 17-23