Adoçantes de baixas calorias, uma ajuda para um melhor comportamento de saúde

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

Colocar a culpa da obesidade em alimentos ou bebidas específicas é falhar a verdadeira causa do problema – e ignorar soluções simples.

“A principal causa da obesidade nos países ocidentais é a baixa posição socioeconómica (PSE), ou pobreza”, referiu Adam Drewnowski, Professor de Epidemiologia da Universidade de Washington, Seattle, aos profissionais de saúde na conferência da Associação Internacional de Adoçantes (ISA), Porque é que as calorias são importantes, em Bruxelas (02-04-14).

Frequentemente, as manchetes da comunicação social atribuiram a culpa da obesidade, num momento, às bebidas açucaradas com alto teor de calorias e, de seguida, às bebidas açucaradas com baixas calorias. “Como pode este paradoxo ser verdade?” Perguntou o Prof. Drewnowski. “Eu penso que a causa da obesidade, da diabetes tipo 2 associada (DT2) e de outros problemas de saúde, é outra coisa.”

Algo tão surpreendente como o seu código postal. “A maioria da obesidade e da DT2 encontra-se em grupos de posição socioeconómica mais baixa”, disse o Prof. Drewnowski, que usou dados de seguros de saúde recentemente disponíveis nos EUA, combinados com informações de census, para produzir os primeiros mapas de taxas de obesidade e DT2 por Unidade de census.

“Estes mapas geográficos detalhados mostram que a obesidade e a DT2 reside quase que exclusivamente em áreas de elevada pobreza”, disse o Prof. Drewnowski, cujo trabalho identifica a obesidade rua a rua.

“O problema é que o tipo de dados que analisamos não existe na UE e não está amplamente disponível no Reino Unido, embora alguns investigadores britânicos estejam a investigar.”

Na luta contra a obesidade, era importante fazer esse tipo de mapeamento em todo o mundo “para que as intervenções de saúde possam ser direcionadas aos bairros onde são necessárias”, disse o Prof. Drewnowski.

Os pontos de acesso da obesidade não podem ser explicados por PSE, referiu o Prof. Drewnowski. “Os cientistas podem ter identificado distúrbios genéticos únicos, hormonas e outros distúrbios fisiológicos ou comportamentais associados à obesidade, mas as pessoas com estas condições não vivem todas em grupos concentrados”, disse o Prof. Drewnowski.

Os principais pontos da obesidade são mais precisamente identificados pelos preços médios das casas, afirmou. “Os preços das casas e as declarações de impostos indicam a qualidade da dieta e a saúde, algo que se aplica em todo o mundo.”

” Se viver numa casa de US $ 1 milhão, o que come parece não ter importância, sendo improvável que seja obeso “, brincou o Professor Drewnowski, que também salientou que as pessoas com os maiores rendimentos e níveis mais elevados de educação, eram também os maiores consumidores de adoçantes de baixas calorias.

“A maioria dos grupos obesos não usa adoçantes de baixas calorias”, por isso perdem uma ferramenta motivadora de perda de peso, disse o Prof. Drewnowski.

Pessoas que utilizam adoçantes de baixas calorias têm resultados mais saudáveis do que os não-consumidores, revelou o Prof. Drewnowski ao analisar os dados do National Health and Nutrition Examination Survey (NHANES). “Estão a comer menos “calorias vazias”, mais vegetais, frutas e cereais integrais e são fisicamente mais ativos e menos propensos a ser fumadores”.

” O uso de adoçantes de baixas calorias continua a subir após os 35 anos e o seu uso crescente entre pessoas mais velhas está relacionado com uma diminuição da obesidade ao envelhecer,” explicou o Prof. Drewnowski.

Assim, se os consumidores de adoçantes de baixas calorias tiverem maior probabilidade de excesso de peso, não é por o uso de adoçantes estar a causar-lhes problemas de peso, mas porque estão a usar adoçantes para perder ou manter o peso, explicou o Prof. Drewnowski. “Este é um exemplo de causalidade inversa.”

“Os consumidores de adoçantes de baixas calorias entre os grupos com maior nível de escolaridade e mais bem-sucedidos também não têm preocupações com a segurança sobre o seu uso”, observou Prof Drewnowski.

“Os adoçantes de baixas calorias são então uma ajuda para um melhor comportamento e estilo de vida saudável.”