Adoçantes de baixas calorias não estão relacionados ao aumento do risco de mortalidade


Posted: 18 março 2019

Declaração da ISA em resposta ao estudo de Malik et al.

Não há evidências que os adoçantes de baixas calorias possam aumentar o risco de mortalidade, com base em evidências científicas robustas. No seu comentário ao novo artigo de Malik et al.1, a Associação Internacional de Adoçantes (ISA) gostaria de destacar que os adoçantes de baixas calorias estão entre os ingredientes mais analisados em todo o mundo. A segurança dos adoçantes de baixas calorias aprovados foi repetidamente confirmada pelas autoridades reguladoras a nível mundial, como o Comité misto FAO/OMS de peritos no domínio dos aditivos alimentares (JECFA), a agência norte-americana US Food and Drug Administration (FDA) e a Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA).2,3,4

Neste artigo de Malik et al., as análises de dois estudos coorte prospectivos observacionais dos EUA concluíram que o consumo de bebidas adoçadas artificialmente (ASBs) - apenas na categoria de ingestão > 4 porções / dia - estava associada à mortalidade causada por doença cardiovascular apenas no estudo realizado em mulheres (Nurses’ Health Study), mas não no dos homens (Health Professionals’ Follow-up Study). É igualmente importante referir, que nenhuma associação com mortalidade causada por cancro foi encontrada em nenhum dos estudos. Além disso, e comentando a implicação clínica do seu estudo, os autores afirmam: “As bebidas adoçadas artificialmente poderiam ser utilizadas para substituir as SSBs (bebidas adoçadas com açúcar) entre os consumidores habituais de SSB, mas um maior consumo de ASBs deveria ser desencorajado.”

É importante destacar, no entanto que após o ajuste das variáveis como hipertensão, hipercolesterolemia, diabetes mellitus tipo 2, doença coronária e acidente vascular cerebral durante o processo de acompanhamento, a associação entre ASBs e a mortalidade total em mulheres foi atenuada, o que indica que a causalidade inversa e os fatores de confusão podem explicar bem a associação observada que é vista apenas para uma ingestão diária muito alta de ASBs (4 porções / dia) e doenças cardiovasculares em mulheres, mas não nos homens. Curiosamente, este estudo constatou ainda que a substituição de 1 porção / dia de SSB por 1 porção / dia de ASB foi associada com um risco 4% menor de mortalidade total, 5% menor risco de mortalidade por doença cardiovascular e 4% menor risco de mortalidade por cancro. Esta constatação, de facto, sugere que a substituição de SSBs por ASBs pode trazer benefícios para a saúde.

Usados em alimentos, bebidas e adoçantes de mesa, os adoçantes de baixas calorias podem oferecer às pessoas uma grande variedade de opções de sabor doce com pouca ou nenhumas calorias. Portanto, eles podem ser uma ferramenta útil, quando usados em vez do açúcar e como parte integrante de um regime alimentar equilibrado, ao ajudar a reduzir o consumo geral de açúcar e calorias, bem como a gerir os níveis de glicose no sangue. Os adoçantes de baixas calorias também são não cariogénicos, o que significa que eles não contribuem para a cárie dentária.

Referências

  1. Malik et al. Long-Term Consumption of Sugar-Sweetened and Artificially Sweetened Beverages and Risk of Mortality in US Adults. Circulation. 2019;139:00–00. DOI: 10.1161/CIRCULATIONAHA.118.037401
  2. http://www.fao.org/food/food-safety-quality/scientific-advice/jecfa/en/
  3. http://www.fda.gov