Investigação relevante de alta qualidade mostra consistentemente os benefícios da utilização de adoçantes de baixas calorias no controlo do peso


Posted: 17 julho 2017

Declaração apresentada pela ISA – Associação Internacional de Adoçantes em resposta ao estudo liderado por Azad et al.

As conclusões de uma nova revisão sistemática de Azad et al.1 na qual os adoçantes de baixas calorias podem estar associados ao risco de aumento de peso e doenças cardiovasculares com base em conclusões de estudos de observação de coorte não são suportados pela evidência coletiva de estudos de intervenção no ser humano bem desenhados e em revisões sistemáticas detalhadas anteriores e meta análises2,3. Mais importante é que estas alegações não são confirmadas pelas conclusões da meta-análise de ensaios aleatórios controlados conduzidos pelos autores deste artigo.

De facto, um forte conjunto de elementos de prova de ensaios em humanos mostrou consistentemente que os adoçantes de baixas calorias podem ser úteis no controlo de peso, quando utilizados em vez de açúcar e como parte de uma dieta e de um estilo de vida saudáveis. Ao contrário das afirmações presentes no estudo de Azad et al., os estudos de observação de coorte, pelo seu próprio desenho, não facultam evidências de que os adoçantes de baixas calorias estão associados ao ganho de peso ou doença cardiovascular, pois estão sujeitos a indícios de viés e a causalidade inversa que não podem ser excluídos. Considerável é que não há um único ensaio aleatório controlado publicado, o padrão de excelência da investigação em nutrição, que demonstre que os adoçantes de baixas calorias podem levar a um aumento de peso ou a qualquer efeito negativo para a saúde.

Para colocar as conclusões da publicação de Azad et al. em contexto, alguns estudos observacionais descobriram que as pessoas com excesso de peso ou obesos, indivíduos com diabetes ou doenças cardiometabólicas que geralmente estão associadas à obesidade, tendem a utilizar mais frequentemente adoçantes de baixas calorias. No entanto, isto pode estar a acontecer na sua tentativa e integrada numa estratégia para reduzir a ingestão de calorias e açúcar, que é uma recomendação dietética comum em tais condições de saúde. Além disso, na maioria dos estudos observacionais, o ajuste para variáveis relacionadas à adiposidade atenua ou diminui as relações observadas, o que não leva a associações significativas.4

Para atribuir a observação de maiores taxas de obesidade em consumidores frequentes de adoçantes com baixo teor calórico para a utilização de adoçantes de baixas calorias por si só, em vez de alguns outros factores de confusão não mensuráveis, o que significa provar a causalidade, é necessário o desenho de um ensaio clínico controlado aleatório. Este é o único desenho de estudo em estudos humanos que se eleva ao nível de demonstração de causa e efeito, e no caso do efeito dos adoçantes de baixas calorias sobre o peso corporal, a evidência dos ensaios controlados aleatórios é clara e consistente apontando para uma vantagem mínima da utilização de adoçantes de baixas calorias na perda e gestão e manutenção de peso.2,3 Relevante é também o facto de ensaios de maior duração terem demonstrado uma maior perda e gestão e manutenção de peso com o uso de adoçantes de baixas calorias.5,6

Surpreendentemente, os autores também sustentam que “a evidência de ensaios controlados aleatórios não suporta claramente os benefícios pretendidos para os edulcorantes não nutritivos para o controlo de peso”, no entanto, os critérios de seleção utilizados para a meta-análise de ensaios controlados aleatórios neste estudo levaram à exclusão de vários ensaios clínicos bem desenhados que foram incluídos numa revisão e meta-análise sistemática, mais detalhada e completa desenvolvida por Rogers et al.3

Num momento em que a obesidade e as condições de saúde relacionadas estão a aumentar, os adoçantes de baixas calorias podem ser uma ferramenta dietética útil enquanto parte de uma dieta equilibrada e de um estilo de vida saudável, com base no equilíbrio de evidências fortes que concluem que, em geral, a sua utilização em vez do açúcar leva a uma diminuição do consumo de energia e a uma perda de peso moderada.

O comentário sobre o estudo de Azad et al. pode ser consultado clicando aqui.

References

  1. Azad M., Abou-Setta AM., Chauhan BF., et al. Nonnutritive sweeteners and cardiometabolic health: a systematic review and meta-analysis of randomised controlled trials and prospective cohort studies. Canadian Medical Association Journal, July 2017; 189: E929-39
  2. Miller PE, Perez V. Low-calorie sweeteners and body weight and composition: a meta-analysis of randomized controlled trials and prospective cohort studies. Am J Clin Nutr 2014; 100: 765-77.
  3. Rogers PJ, Hogenkamp PS, de Graaf C, et al. Does low-energy sweetener consumption affect energy intake and body weight? A systematic review, including meta-analyses, of the evidence from human and animal studies. Int J Obes (Lond) 2016; 40: 381-94.
  1. Romo-Romo A., Aguilar-Salinas CA, Gomez-Diaz RA., et al. Non-nutritive sweeteners: Evidence on their association with metabolic diseases and potential effects on glucose metabolism and appetite. Rev Invest Clin. 2017 May-Jun; 69(3): 129-138
  2. Blackburn GL, Kanders BS, Lavin PT, et al. The effect of aspartame as part of a multidisciplinary weight-control program on short- and long-term control of body weight. Am J Clin Nutr 1997; 65: 409-18
  3. Peters JC, Beck J, Cardel M, et al. The effects of water and non-nutritive sweetened beverages on weight loss and weight maintenance: a randomized clinical trial. Obesity (Silver Spring) 2016; 24: 297-304