Congresso Internacional de Nutrição 2013


Data: 15th to 20th Sept. 2013, Granada

A Associação Internacional de Adoçantes (ISA) participou do 20º Congresso Internacional de Nutrição em Granada, Espanha, entre 15 e 20 de setembro de 2013.

Organizado pela União Internacional da Ciência Nutricional (International Union of Nutritional Science) , o CIN 2013 é o maior evento deste tipo, com cinco dias de palestras científicas, debates e simpósios dedicados aos principais tópicos de alimentação e nutrição. Com mais de 4.000 participantes esperados, o Congresso oferece uma oportunidade única para especialistas em saúde e nutrição analisarem as últimas evidências científicas sobre as principais questões relacionadas com a nutrição, saúde e bem-estar, em diferentes culturas, tradições e hábitos alimentares.

Para além da ISA irá participar no CIN 2013 a dietista e nutricionista Dr. Mabel Blades, que estará disponível para debater e esclarecer uma variedade de tópicos relacionados com a nutrição, estilo de vida ativo, controlo de peso e alternativas ao açúcar.

Mais informações sobre o evento podem ser encontradas abaixo.

Prevenir a obesidade é, atualmente, o desafio mais importante para a saúde pública. Como reverter a sua tendência ascendente foi um tema importante no primeiro dia do 20º Congresso Internacional de Nutrição do UICN, o maior do género em todo o mundo.

Mais de 4.000 especialistas em nutrição participaram no Congresso 'Unir Culturas Através da Nutrição' em Espanha. Sob a égide da União Internacional de Ciências Nutricionais (UICN), é organizado pela Sociedade Espanhola de Nutrição (SEN).

"Este evento representa o congresso de nutrição mais importante do mundo. A cada quatro anos: é o equivalente às Olimpíadas de nutrição e comida", disse o professor Ángel Gil, Presidente do Congresso UICN-CIN.

" O logotipo do Congresso é uma romã, sementes que se espalham num mapa do mundo como os países, com Espanha no centro. Também representa "Granada" (a palavra romã em espanhol), a cidade onde o congresso se realizou".

Em contraste com a obesidade está outra grande preocupação do Congresso: desnutrição infantil. "Eu diria que isso é talvez ainda mais importante do que tentar evitar doenças crónicas, que são a principal causa de mortalidade em países desenvolvidos e subdesenvolvidos: obesidade, diabetes, cancro e uma série de doenças crónicas de natureza inflamatória como a DPOC".

Resolver problemas de desnutrição é essencial para ter uma população saudável e desenvolvimento sustentável saudável: social, ambiental e económico, disse Maria Neira, Diretora de Saúde Pública e Ambiente da Organização Mundial de Saúde na abertura do Congresso.

"Sem desenvolvimento não há saúde e sem cura não há desenvolvimento", disse a Dr.ª Neira.

O congresso está organizado em oito áreas, incluindo a mais recente pesquisa nutricional, a nutrição através da vida e da saúde pública para o tratamento de doenças, avaliação nutricional, cultura e práticas alimentares, alimentos funcionais, compostos bioativos e alimentos e agricultura..

Os investigadores de nutrição na Universidade de Southampton acreditam que envolver os adolescentes na escola para aumentar o seu conhecimento sobre ciência e alfabetização em saúde, pode ajudar a combater a obesidade nas gerações futuras.

O programa de intervenção da escola LifeLab, atualmente em avaliação num ensaio clínico em grupo, poderia ser lançado em toda a Europa, disse aos delegados do Congresso Keith Godfrey, da Unidade de Epidemiologia do Ciclo de Vida da MRC da Universidade.

Quatro mil alunos por ano passarão pelo projeto da Universidade de Southampton, concentrando-se em Saúde infantil.

A iniciativa baseia-se em resultados científicos do Southampton Women's Survey (SWS), que recolheram dados em mais de 12.500 mulheres entre 20 e 34 anos quando não estavam grávidas. Mais de 3.000 foram seguidas ao longo da gravidez, sendo também efetuado o seguimento às crianças. As conclusões, desde o nascimento até aos nove anos de idade, correlacionaram a adiposidade ou a gordura da infância ao aumento de peso excessivo e a uma má dieta durante a gravidez.

A má dieta materna levou a adaptações no feto, explicou Godfrey, que resultou em propensão ao longo da vida para uma maior adiposidade. Outros estudos e pesquisas confirmaram os resultados do SWS.

"A dura realidade é que poucas mulheres no estudo SWS planearam a gravidez", disse Godfrey, "e o seu estilo de vida permaneceu o mesmo quando engravidaram - embora algumas comessem mais frutas, mas menos legumes."

"Isto levou ao conceito de LifeLab para aumentar o conhecimento dos adolescentes sobre ciência e alfabetização em saúde.

Ao explorar a plasticidade epigenética do feto através de uma boa nutrição, antes e durante a gravidez, o objetivo da equipa de Southampton foi reduzir a obesidade.

De acordo com esta teoria, reduzindo a obesidade e o excesso de peso, que aumenta com a idade, também reduz o peso da doença crónica.

A intervenção comportamental durante a adolescência poderia ser a chave para um processo de envelhecimento e uma população mais saudáveis.

* A PESQUISA DAS MULHERES DE SOUTHAMPTON: DA EPIDEMIOLOGIA ÀS INTERVENÇÕES E À POLÍTICA
K. Godfrey, H. Inskip, S. Robinson, C. Cooper, MRC Lifecourse

"Se não está no mercado sem calorias ou de baixas calorias, provavelmente não está a ter tanto sucesso como os seus concorrentes ", de acordo com Lisa Sutherland, da Dartmouth College, New Hampshire, Estados Unidos.

As principais empresas dos EUA que constituem a Fundação de Compromisso para o Peso Saudável já ultrapassaram a sua promessa de vender 1.5 triliões menos de calorias até 2015, referiu Sutherland aos delegados do CIN.

Reduzindo a ingestão de calorias em 100 por dia para adultos e cerca de 12 calorias para crianças, juntamente com um aumento de 50 calorias por dia na atividade física, pode não resultar em aumento de peso nos EUA, uma nação que luta contra a obesidade.

Usando uma série complexa de dados, as empresas participantes rastrearam e compararam calorias por unidade de alimentos ou bebidas, vendidas em 2007 em comparação com 2012. Os resultados superaram a expectativa com o objetivo já alcançado.

O sucesso coincide com uma estabilização nacional do aumento de peso em adultos e uma redução nas crianças uma vez que a ingestão de calorias continua a cair, referiu Sutherland.

O sucesso é devido ao aumento da disponibilidade de produtos baixos e sem calorias desde 2007, melhor controlo de calorias e porções e um aumento na procura do consumidor por alimentos com baixo teor de calorias e sem calorias.

"As estatísticas do governo dos USA mostram que o peso está a estabilizar", disse Sutherland, "há melhorias na dieta com o aumento do consumo de cereais integrais e de frutas e vegetais. Esperamos manter esta tendência, mas há muito trabalho a fazer ", concluiu Sutherland..

Ainda não sabemos qual é a melhor dieta para evitar a Diabetes Tipo 2 (CT2), de acordo com a Professora Jennie Brand-Miller, especialista em Diabetes, índice glicémico e resistência à insulina na Universidade de Sydney.

Apesar do consenso global de que uma dieta com baixo teor de gordura, elevada quantidade de fibra e exercício físico, é a melhor forma de prevenir a diabetes tipo 2, podemos fazer melhor, referiu o Professor Brand-Miller numa reunião totalmente lotada no CIN.

O projeto PREVIEW Project - PREVenção da Diabetes através do estilo de vida definiu a identificação do padrão de estilo de vida como mais eficiente para a prevenção da diabetes tipo 2 numa população de indivíduos obesos pré-diabéticos ou obesos. O projeto compreende duas linhas de evidência distintas, ambas abrangendo países europeus e de outras áreas do globo.

Este estudo altamente inovador e avançado, está focado no efeito da dieta, atividade física, stress e padrões de sono no desenvolvimento da diabetes tipo 2 em indivíduos em risco. Num ensaio clínico aleatorizado que segue 2.500 crianças em risco, adolescentes, adultos e pessoas idosas ao longo de três anos, pretende determinar a melhor forma de intervir e mudar a dieta e os hábitos de vida.

Haverá também grande estudos populacionais de 170 mil pessoas em todas as faixas etárias de quatro países: Europa, Nova Zelândia, Canadá e América.

Embora estudos prévios, como o DioGenes, o Diabetes Prevention Study e o estudo chinês Da Qing, tenham resultado em cerca de 7% de perda de peso, usando uma dieta de baixo teor de gordura e elevada quantidade de fibra e regime de exercícios, não impediram eficazmente o aumento do peso ou a diabetes tipo 2, referiu o Prof Brand-Miller.

A necessidade de encontrar a melhor abordagem é urgente para combater o recente aumento da diabetes gestacional e da diabetes tipo 2 nos jovens. "Estes podem ser atribuídos a padrões alimentares que aumentam a glicemia pós-prandial e insulinemia sobrepostas à resistência fisiológica à insulina da gravidez e puberdade", explicou o Prof. Brand-Miller.

É provável que haja formas mais eficientes do que apenas uma dieta com baixo teor de gordura e elevada quantidade de fibra para prevenir a diabetes em indivíduos com pré-disposição.

Queremos encontrar uma dieta ainda melhor ", disse o Prof. Brand-Miller. Uma dieta que resulte em perda de peso, evite a sua recuperação, seja palatável para que as pessoas possam aderir a ela e, além de prevenir a diabetes tipo 2, também possa ajudar a prevenir doenças cardíacas coronárias e outras doenças crónicas. Além disso, afirmou que os estudos de prevenção da diabetes mostram que intervenções intensivas no estilo de vida resultantes na perda de peso sustentada, podem reduzir o risco de diabetes tipo 2.

O professor Brand-Miller também partilhou dados, que ilustram não haver evidências convincentes para sustentar o argumento de que as bebidas com adoçantes de baixas calorias possam representar um aumento do risco de desenvolver diabetes de tipo 2.

Assim, a PREVIEW testará a eficácia de duas dietas diferentes combinadas com duas intensidades de atividade diferentes.

As dietas são
uma proteína moderada e IG médio nbsp; ou
uma dieta rica em proteínas e um baixo IG.

"Uma carga de IG baixo funciona melhor em pessoas sensíveis à insulina que podem perder peso mais rapidamente e manter essa perda de peso", afirmou o Professor Brand-Miller.

Falando sobre o papel da atividade física na prevenção da diabetes tipo 2, Gareth Stratton, do Centro de Pesquisa A-STEM, da Universidade de Swansea, disse que dois padrões de exercícios serão testados por comparação direta no estudo PREVIEW Prevention para ver qual é o mais eficaz.

Os níveis de atividade são:
Moderado, pelo menos 150 minutos por semana
Alta intensidade, pelo menos 75 minutos por semana

A atividade física regular melhora o controlo de glicose na diabetes e o excesso de peso, mas que tipo ou padrão de exercício é o melhor atualmente não é conhecido, disse o Prof. Stratton.

A popularidade do exercício de alta intensidade (HIT) está a aumentar porque a maioria das pessoas diz que não tem tempo para se exercitar , disse o Professor Stratton. As pessoas também gostam de partilhar e comparar os seus regimes HIT para os quais há uma variedade de aplicações.

O HIT compreende breves séries de exercícios vigorosos, por exemplo & nbsp; um treino de seis minutos composto por 30 séries e nbsp; de flexões, saltos, press ups etc., feito sem parar. "Isto pode reduzir a pressão arterial e melhorar a função endotelial, mas há preocupações com a segurança, especialmente entre pessoas que não estão habituadas ao exercício", disse o Prof. Stratton.

Independentemente de qual o padrão de atividade física melhor para a prevenção da diabetes tipo 2, todos devemos ser menos sedentários porque, de acordo com o Prof. Stratton, "quanto mais tempo ficarmos sentados, menos tempo vivemos".

Para obter mais informações, consulte o site oficial do projeto: http://preview.ning.com/

O nosso gosto pelo doce é universal e parte da nossa biologia básica. "É algo com o qual nascemos independentemente da dieta da nossa mãe durante a gravidez e, no que diz respeito aos bebés, quanto mais doce, melhor", disse France Bellisle ao CIN.

O sabor doce faz parte da evolução natural e é influenciado pela genética, etnia e preferências alimentares individuais. A origem reside numa vantagem adaptativa do ser humano, explicou a Drª Bellisle, da Faculdade de Medicina da Universidade Laval, Quebec. Neste sentido, ajuda os seres humanos e outras espécies a evitar a ingestão de substâncias potencialmente nocivas, especialmente durante a infância, quando a preferência é mais forte.

"A preferência pelo doce está associada à nossa taxa de crescimento linear durante a infância", disse a Drª Bellisle. A preferência pelo doce é menor nos adolescentes, quando comparada com crianças e menor em adultos em comparação com adolescentes.

Mas o doce também pode contribuir para inibir a ingestão de alimentos ou, por outras palavras, impedir-nos de comer?

Novas pesquisas mostram que as mulheres de peso normal habituam-se ao doce antes das mulheres com excesso de peso ou obesas. A habituação mais lenta em mulheres obesas resulta do facto de demorarem mais tempo até se cansarem de alimentos doces, de forma a que possam comer mais.

Mas quando estamos saciados, isto é, quando nos sentimos cheios, o gosto doce torna-se menos agradável. Tanto o açúcar como o adoçante aspartame se tornam menos agradáveis uma hora depois de comer, mas o açúcar tem um efeito maior, provavelmente devido ao seu efeito metabólico. O aspartame é metabolizado mas, como não aumenta os níveis de açúcar no sangue, não consegue reduzir o efeito da fome, explicou a Drª Bellisle.

Os adoçantes artificiais por si, não podem satisfazer o apetite, nem diminuir ou parar de comer porque não contêm calorias que satisfaçam ou reprimam o apetite. "No entanto, o seu efeito sensorial através da habituação, pode ajudar a parar de comer", disse a Drª Bellisle - porque o nosso gosto pelo doce (mas não por outras sensações de sabor) diminui após comer substâncias saborosas.

"Os adoçantes geralmente são parte de um alimento e, nesse contexto, o alimento resultará em saciedade, mas se os alimentos tiverem um adoçante de alta densidade de energia, como o açúcar, podem favorecer o excesso de comida. "

Para concluir, disse a Drª Bellisle: "Os adoçantes não são uma bala mágica para a perda de peso, mas podem ajudar na perda de peso no contexto de uma dieta saudável."

A importância da atividade física e de dietas saudáveis foram temas importantes durante o segundo dia do 20º Congresso Internacional de Nutrição da UICN: "Unir as Culturas através da Nutrição'.

Os principais especialistas globais em atividades físicas forneceram fortes evidências de que, para combater a obesidade global, precisamos estar menos tempo sentados e realizar atividades físicas mais regulares. Um dos palestrantes mais envolventes sobre o tema foi o Professor Steven Blair, dos Departamentos de Ciências do Exercício e Epidemiologia & Bioestatística na Universidade da Carolina do Sul.

Ele alarmou o público com o anúncio chocante de que não ser fisicamente ativo aumenta mais a probabilidade de morte do que a maioria das doenças crónicas. "A inatividade física causa 5,3 milhões de mortes por ano, mais do que os 5 milhões atribuídos ao tabagismo e os 3 milhões à obesidade", disse o Professor Blair ao CIN. No entanto, o Professor Blair teve notícias reconfortantes para os obesos: "as pessoas obesas que fazem exercício regularmente, têm menor risco de morrer ou desenvolver doenças crónicas nos próximos dez anos, do que aqueles sem problemas de peso que não estão aptos."

O mesmo conselho positivo também se aplica às pessoas de peso normal ou com excesso de peso. "Publicámos dezenas de estudos em importantes revistas científicas e médicas, mostrando que se a pessoa tiver pelo menos um nível moderado de aptidão cardiorrespiratória, o risco de morrer ou desenvolver doenças crónicas não transmissíveis é bastante reduzido, quer tenha peso normal, excesso de peso ou seja obeso.

"Um bom exemplo de como se tornar moderadamente apto é a caminhada: três passeios de dez minutos por dia nos cinco dias da semana, permitem uma aptidão moderada", comentou o Professor Blair. Fazer mais de cinco horas ou 300 minutos de exercício por semana não traz benefícios adicionais à saúde.

É necessário fazer um esforço consciente para ser mais ativo porque desenvolvemos a atividade física fora da vida diária, explicou o Professor Blair. "As mulheres americanas gastam 120 calorias por dia menos no trabalho do que há 50 anos, e os homens 140 calorias por dia menos do que antes da atual epidemia de obesidade. As mulheres também gastam 1800 menos calorias por semana nas tarefas domésticas do que há 45 anos ", prosseguiu.

O professor Blair reconheceu que, juntamente com a atividade física, a dieta, a gestão do stress, o sono adequado e não fumar, ajuda a reduzir a doença cardiovascular, cancro, diabetes, obesidade e distúrbios respiratórios, que são as principais causas de morte no mundo.

"Muitos adultos dizem que estão muito ocupados para fazer exercício físico, mas depois admitem ver quatro a cinco horas de televisão por dia. Se caminhassem no mesmo local durante os intervalos para publicidade, alcançariam o objetivo de 150 minutos de exercício por semana ", admitiu o Professor Blair.

Chegou o momento de abandonar a imagem de um par de balanças para representar o equilíbrio de energia e repensar a ideia há muito aceite de que o peso pode ser controlado apenas equilibrando a ingestão de energia (alimentos comidos) com a energia gasta (calorias queimadas).

"Esta ideia é completamente falsa", disse o Professor John Blundell, da Universidade de Leeds, e a compreensão pública do controlo de peso não melhora com manchetes de jornais, como Será que correr nos torna gordos? e Porque o exercício não pode torná-lo magro . Estas notícias interpretam mal as descobertas científicas e muitas vezes baseiam-se em resultados que não são cientificamente robustos.

As escalas de equilíbrio de energia são uma ideia desatualizada, disse o Professor Blundell, porque agora sabemos que o equilíbrio energético é um sistema dinâmico. "Nos nossos estudos REACTIV comparámos, ao longo de mais de 15 anos, pessoas ativas e sedentárias da mesma idade, peso e índice de massa corporal (IMC). As pessoas ativas podem comer mais sem entrar no equilíbrio energético positivo."

A única vez em que a ingestão de energia está na homeostase (equilíbrio) é quando as pessoas estão em condições de elevado consumo de energia - isto é, quando são muito ativos, disse o Professor Blundell. "As pessoas sedentárias perdem a capacidade de regular o seu balanço energético".

Nos ensaios REACTIV, os sujeitos seguiram um programa aeróbico supervisionado de 12 semanas, queimando 500 calorias em cinco sessões por semana e a trabalhar a 70% do seu máximo de frequência cardíaca. A ingestão de alimentos também foi medida e supervisionada.

"Ao fazer estes estudos, podemos dizer às pessoas qual será o impacto quando realizar um programa de exercícios, porque as pessoas querem saber qual será o resultado antes de começar." Em média, os resultados foram uma perda de peso de 3,3 kg, perda de gordura de 2,1%, diminuição de 5% no perímetro abdominal e aumento de 2,8% na massa magra.

"Quase ninguém atingia os valores médios, pois a variação na resposta é a realidade com perda de peso", disse o Professor Blundell. "O intervalo de perda de peso foi de 1 a 8kg, e contra intuitivamente um pequeno grupo ganhou peso." Porque ganharam peso? Poderia ser por terem comido mais ou porque ganharam massa livre de gordura (tecido magro ou músculo).

Independentemente da quantidade de peso perdida - ou ganha - "o exercício físico de elevada energia resulta em perda de peso e aumento de massa livre de gordura, tanto nos homens como nas mulheres, o que é mais saudável", disse o Professor Blundell. Por outro lado, quando as pessoas se tornam sedentárias, acumulam gordura e o controlo do seu apetite torna-se mais frágil - muitas vezes porque continuam a comer a mesma quantidade que comiam antes de se tornarem sedentários.

Isto desafia o modelo de escalas previamente utilizado, do consumo de energia igual ao gasto de energia para criar perda de peso. "A atividade física não é o consumo calórico convertido em alterações de peso", explicou o Professor Blundell. "A atividade física muda a fisiologia para provocar mudanças importantes na saúde, reduzindo a pressão sanguínea, a frequência cardíaca e insulina plasmática, e aumentando a aptidão cardiovascular que é mais importante do que o peso", concluiu o Professor Blundell.

O cientista David Allison, da Universidade do Alabama, EUA, também analisou as ideias aceites do equilíbrio energético como uma equação simples para o controlo do peso.

"Não se pode fazer apenas uma coisa para mudar o equilíbrio energético, porque assim que o faça, algo mais acontece, e acabamos a fazer duas ou mais", disse o Dr. Allison.

O sistema de equilíbrio de energia é reativo. Pode-se pensar em termos Newtonianos: para cada ação há uma reação, ou em termos Freudianos: se o suprimir aqui, aparecerá lá.

Assim, os cientistas precisam de analisar as relações entre ingestão e gasto e levar em consideração a compensação passiva e ativa do equilíbrio energético para as alterações na ingestão de energia ou atividade física. Este processo irá eliminar alguns mitos antigos relativos ao equilíbrio de energia.

O mito do equilíbrio das 100 calorias de energia
Não é possível dizer aos magros, como lhes foi dito no passado, que se comerem 100 calorias por dia menos do que comem atualmente, perderão 3.500 calorias em 35 dias, o que equivale a 0,45 kg de gordura. Por cada dia em que comem menos calorias, tornam-se um pouco menores e os seus gastos de energia também se tornam menores. Portanto, essa estimativa não contabiliza a compensação passiva.

O mito do equilíbrio energético por comer fora
Da mesma forma, os conselhos de dieta não são para comer em restaurantes porque essas refeições têm, em média, mais 250 calorias do que outras refeições. Mas isso não explica a compensação ativa. Quando as pessoas sabem que vão comer fora, muitas vezes fazem pequenas refeições antes, ou comem menos no dia seguinte. Estudos demonstraram que nos adaptamos ao comer fora e ao longo do dia a ingestão é apenas cerca de mais 25 calorias.

O mito do equilíbrio da energia ao pequeno-almoço
O conselho de dieta atual é que as pessoas que tomam o pequeno-almoço, têm melhor controlo do seu peso porque existe a suposição de que comerão menos depois - ou que os que não tomam pequeno almoço, comem mais ao longo do dia. Estudos mostram que as pessoas que não tomam o pequeno-almoço comem mais ao almoço, mas não compensam a falta de pequeno-almoço.

Para melhorar as futuras mensagens de saúde pública tendo em vista combater a obesidade, o Dr. Allison e colegas desenvolveram software que tem em conta a compensação passiva e ativa do equilíbrio energético ao prever os resultados da dieta e dos conselhos de atividade física.

"Na realidade, as pessoas compensam cerca de dois terços da mudança no equilíbrio energético", diz o Dr. Allison, possivelmente comendo mais se nos tornarmos mais ativos, ou se a ingestão de alimentos for reduzida, tornando-se menos ativa, o que afeta a perda de peso esperada. P>

Como equilibrar a dieta se não souber o que está a comer?

Controlar o equilíbrio energético é extremamente difícil quando não sabemos o que estamos a comer, disse o Professor Gregorio Varela Moreiras, da Universidade de San Pablo, em Madrid e Presidente da Fundação Espanhola de Nutrição, ao CIN.

Todos os alimentos são energia, nutrientes e água, mas também contém substâncias bioativas e podem conter aditivos ou contaminantes que interagem. "Quando um componente interage com outro, não é surpreendente que existam variáveis no equilíbrio energético entre os indivíduos", disse o Professor Moreiras.

"A composição dos alimentos também afeta a saciedade e o gosto ou desejo de comida pode superar a saciedade e levar a um excesso de comida de curto prazo. Como os alimentos hoje são mais palatáveis do que nunca, isso também pode tornar mais fácil comer demais."

Prevenir a obesidade entre as crianças é o objetivo do estudo Pan-Europeu Toy-Box, que apresentou os primeiros resultados no CIN.

Iniciado em 2009, os resultados finais do estudo Toy-Box serão lançados após a conclusão no próximo ano (2014), disse o Dr. Yannis Manios, da Universidade de Harokopio, em Atenas. Mais de 7.000 crianças em idade pré-escolar de 3 a 4 anos e os seus professores estão atualmente a testar o modelo em jardins-de-infância de seis países: Bélgica, Bulgária, Alemanha, Grécia, Polónia e Espanha.

"Daqueles países, a Alemanha tem a menor taxa de obesidade entre os três e os quatro anos de idade com 9,5% e Espanha a mais alta com 25%, enquanto a Grécia tem 20%", disse o Dr. Manios.

"Geralmente a Europa do Norte (Bélgica e Alemanha) tem a menor taxa de 10%, a Europa Oriental (Bulgária e Polónia) 14% e Europa do Sul (Espanha e Grécia) 25%."